França e Reino Unido querem armar rebeldes sírios, com ou sem acordo da UE

Ministro dos Negócios Estrangeiros francês entende que opositores de Assad têm de ter "possibilidade de se defender”.

Foto
Guerra fez mais de 70 mil mortos em dois anos JM LOPEZ/AFP

A França e o Reino Unido vão fornecer armas aos rebeldes sírios, caso a União Europeia (UE) não aprove a sua proposta de levantamento de embargo, numa reunião que poderá realizar-se até ao fim de Março

O anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Laurent Fabius, em declarações à rádio France Info.

Os dois países pedirão aos parceiros europeus para “levantarem o embargo para os resistentes terem a possibilidade de se defender”, disse. Mas se não houver a necessária unanimidade para uma decisão da UE, os governos de Paris e Londres  fornecerão armas.

A França “é uma nação soberana” e está preparada para actuar em coordenação com o Reino Unido, que tem posição idêntica, afirmou.   

Na terça-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, tinha já dito que o seu país poderia quebrar a solidariedade com o embargo europeu, fornecendo armas à oposição síria para lutar contra o regime de Bashar al-Assad.

A próxima reunião da UE para análise ao embargo de armas com destino à Síria está prevista para o fim de Maio. Na entrevista, Fabius disse que França e Reino Unido vão pedir a antecipação. “É preciso ser rápido”, disse, não excluindo que possa ocorrer até ao fim de Março.

“Não podemos aceitar que haja este desequilíbrio, com, por um lado, o Irão e a Rússia que dão armas a Bashar; e, por outro, os resistentes que não se podem defender”, argumentou. “Levantar o embargo é um dos únicos meios que restam para fazer mudar a situação politicamente.”

A guerra na Síria já fez mais de 70 mil mortos – estimativa das Nações Unidas – desde o início, a 15 de Março de 2011, cumprem-se dois anos na sexta-feira.