BIC Angola paga 30 milhões pelo BPN-IFI Cabo Verde

O grupo liderado por Fernando Teles investiu menos 10 milhões de euros pela compra da operação cabo-verdiana do que tinha pago pelo BPN em Portugal.

Banco liderado por Fernando Teles também quer operação no Brasil
Foto
Banco liderado por Fernando Teles também quer operação no Brasil Nuno Ferreira Santos

O Banco Internacional de Angola (BIC), que controla o BIC Portugal, adquiriu ao Estado português, por 30 milhões de euros, o BPN-Instituição Financeira Internacional (IFI) de Cabo Verde, apurou o PÚBLICO junto de fonte ligada às autoridades portuguesas.

A decisão foi comunicada esta quinta-feira à instituição angolana, que irá agora absorver o BPN-IFI, uma plataforma de negociação de títulos e colocação de depósitos. 
 

Após a nacionalização do BPN, em 2008, o BPN-IFI ficou integrado nas sociedades-veículo estatais (Parvalorem, Parups e Parparticipações) que assumiram os "activos tóxicos" do banco que foi entretanto privatizado. Em 2012, o Estado vendeu ao BIC Portugal 100% do BPN por 40 milhões de euros, mais 10 milhões do que o BIC Angola pagou pelo BPN-IFI Cabo Verde.

O BIC Angola, liderado por Fernando Teles, já tinha solicitado autorização às autoridades cabo-verdianas para ter uma licença de abertura de um banco comercial no arquipélago africano. A entrada do BIC no mercado financeiro cabo-verdiano inscreve-se na estratégia de expansão nos mercados africanos, designadamente na Namíbia e no Zimbabwe.

Angola está já presente no mercado cabo-verdiano através da Sonangol (que tem 38% da Enacol, parceira da Galp), do Banco Africano de Investimentos (BAI) e da Unitel. A Sonangol possui ainda 5% da CV Telecom, uma associação com a PT, e é o maior accionista do BAI. Já a Unitel controla a operadora móvel cabo-verdiana T+, a que está ligada Isabel dos Santos.

O Governo português tem ainda em mãos uma proposta de compra do BPN-Brasil entregue pelo BIC Portugal. O grupo BIC é detido por quadros bancários associados a Américo Amorim e à empresária angolana Isabel dos Santos, ambos com 25% do capital.