Governo revê em baixa o crescimento das renováveis até 2020

Energias renováveis irão crescer menos do que o anteriormente previsto.

A energia eólica é uma das mais presentes em Portugal
Foto
Menor aposta na energia renovável Pedro Cunha

O Governo aprovou nesta quinta-feira a revisão dos planos que estabelecem metas no que toca à eficiência energética e às energias renováveis, revendo em baixa o crescimento das fontes renováveis até 2020.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, o Plano Nacional de Acção para as Energias Renováveis é redefinido “em função do cenário actual de excesso de oferta de produção de electricidade decorrente de uma redução da procura, de forma a adequar e a mitigar os custos inerentes”.

Na práctica, o Governo reviu em baixa o crescimento das renováveis até 2020, o que se sentirá sobretudo na produção de energia, a partir do vento e do sol, passando dos anteriores 6,8 gigawatts (gw) e 1,5gw previstos pelo anterior Governo para 5,3gw e 0,55gw, respectivamente.

O Governo explica que “mantém a aposta nas fontes de energia renovável muito relevantes na promoção de um mix energético equilibrado, que reforce a segurança de abastecimento e diminua o risco da variabilidade do preço de determinadas commodities e respectivas implicações na factura energética nacional”.

Por seu lado, o principal objectivo da revisão do Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética 2013-2016 é “projectar novas acções e metas para 2016, integrando as preocupações relativas à redução de energia primária para o horizonte de 2020, constantes da directiva comunitária relativa à eficiência.