Risco de pobreza nas crianças e idosos acima da média europeia

Um quarto dos portugueses vivia em 2011 em situação de exclusão social, indicam dados do Eurostat.

Na União Europeia há 120 milhões de pessoas em exclusão social
Foto
Na União Europeia há 120 milhões de pessoas em exclusão social Nélson Garrido

Portugal estava em 2011 entre os países em que o risco de pobreza e exclusão social nas crianças e nos idosos suplantava a média da União Europeia (UE), revela um relatório divulgado nesta terça-feira pelo Eurostat.

O relatório do gabinete de estatísticas da UE indica que 28,6% das crianças portuguesas estavam nesse ano em risco de pobreza e exclusão social, contra uma média de 27% na União. Quanto aos idosos, encontravam-se nesta situação 24,5% dos portugueses com 65 ou mais anos, bastante acima da média de 20,5% dos 27 Estados-membros da UE.

Na população em geral, os resultados mostram também que entre 2010 e 2011 baixou ligeiramente – de 25,3% para 24,4% – o número de portugueses em risco de pobreza e exclusão social, um dado que se deve apenas ao facto de nesse período ter baixado também o rendimento mediano do país que serve de base ao cálculo das taxas.

Outros países como a Irlanda ou a Grécia, onde também vigoram programas de assistência financeira internacional, ou que tenham adoptado políticas de austeridade – casos de Espanha ou Itália – estavam em 2011 em situação ainda mais grave do que Portugal.

São consideradas pessoas em situação de exclusão social as que aufiram de rendimentos inferiores a 60% da média nacional, que tenham privações materiais graves ou que pertençam a agregados familiares com baixa intensidade de trabalho. Na Europa, quase um em cada quatro cidadãos estava em 2011 nesta situação (24,2% da população), o que corresponde a cerca de 120 milhões de europeus.
 

Sugerir correcção