Opinião

A velha Itália ao espelho

A Itália que acordou nesta terça-feira depois do resultado histórico das legislativas de domingo e segunda-feira pode não gostar da imagem que vê reflectida no espelho. Mas será obrigada a aceitar que o reflexo corresponde ao país.

Bersani

julgava que tinha chegado o seu momento de governar a Itália sem ter querido perceber que o seu momento já passou. Nas primárias do Partido Democrático, em Novembro, foi obrigado a disputar uma segunda volta com Matteo Renzi, o presidente da câmara de Florença, com 37 anos e uma proposta de renovação e abertura para a esquerda. Renzi sabe que o mundo mudou e prometia liderar uma nova geração pronta a enterrar a classe de dirigentes saída da tradição comunista e da democracia-cristã. Renzi sabe que o mundo mudou mas o aparelho do PD preferiu Bersani, preferiu-se a si mesmo.

Matteo, um controlador aéreo reformado de 67 anos, votou Beppe Grillo mas teria votado Renzi, disse-nos em Roma, na segunda-feira. Antes das festas “bunga-bunga” acreditava nas promessas impossíveis de Berlusconi e dava-lhe o seu voto; agora já não o conseguiu fazer. Federico, jovem milanês, votou Nichi Vendola (Esquerda, Ecologia e Liberdade) mas teria votado Renzi. Aos 28 anos, a “falta de alternativas” ainda não lhe permitiu ter “um voto muito convicto”, admite.

Bersani ainda poderá ser o próximo primeiro-ministro de Itália mas é o grande derrotado político destas eleições. Escolheu a velha receita, a aliança à esquerda com Vendola na perspectiva de alargar a coligação à direita, ao centro católico de Mario Monti, caso fosse preciso, depois de contados os votos. Perdeu em toda a linha. Ganhou a Câmara dos Deputados, por poucos votos, e ficou numa situação em que nem Monti lhe vale no Senado.

Renzi queria um PD aberto à sociedade, empenhado em recuperar os desiludidos de centro e de esquerda e em conquistar os de direita. Queria aproveitar a crise e fazer dela um trampolim para a mudança profunda por que tantos italianos suspiram. O PD não entendeu dar-lhe essa oportunidade, acreditando que podia conquistar a Itália sem a encantar, sem a convencer. Só porque é menos mau do que Berlusconi, porque apoiou a austeridade de Monti em nome da estabilidade, dos mercados e do interesse do país, porque não fascina mas também não envergonha italianos nem europeus.

Monti é o outro derrotado destas eleições. Se não podia continuar a ser primeiro-ministro queria ser “fazedor de reis”, contribuir para instaurar uma nova forma de fazer política, dizia. Ajudar a lançar a Itália pós-Berlusconi.

Afinal, vimo-lo na campanha, tão pouco diferente de todos os outros, perdido entre anúncios, polémicas, promessas e contradições. Num dia, disse que desejava ver uma mulher na presidência da República. No dia seguinte, afirmou que apoiava um segundo mandato de Giorgio Napolitano. A seguir, sugeriu que Berlim e Bruxelas não queriam o PD no governo – ele que, tudo indica, já negociara uma aliança pós-eleitoral com o PD.

Berlusconi é um dos vencedores destas eleições. Vingou a forma humilhante como foi obrigado a deixar o poder, em Novembro de 2011, para apoiar Monti e o seu governo de “emergência nacional”. Mostrou que a direita está viva, é certo, mas até ele saberá que, desta vez, a maioria dos que lhe deram o seu voto estão cansados do seu espectáculo e gostavam de lhe poder dizer “vai para casa, acabou a brincadeira”.

Os italianos que votaram uma vez mais em Berlusconi fizeram-no porque são de direita e era ele o candidato, porque ainda temem os comunistas, porque não entendem Grillo ou apenas porque ele repetiu todos os dias a palavra impostos. E 2012 foi o ano em que os impostos doeram no bolso dos italianos. E o dinheiro deixou de circular, e as pessoas deixaram de consumir e o desemprego não parou de crescer. Impostos, impostos, impostos, repetiu Berlusconi.

Impostos, teria provavelmente repetido Matteo Renzi. “Na luta contra a evasão fiscal temos sido duros com os fracos e fracos com os fortes”, dissera o candidato derrotado por Bersani na liderança do PD.

Com excepção de Grillo e do seu Movimento 5 Estrelas, partido mais votado na Câmara dos Deputados, incontornável a partir de agora, a Itália que se apresentou a votos é uma Itália velha que os italianos conhecem demasiado bem. A Itália onde a direita aproveita a maioria absoluta para aprovar uma lei eleitoral destinada a não permitir que mais ninguém consiga governar o país. A Itália onde o centro-esquerda consegue estar duas vezes no poder depois da erupção de Berlusconi sem legislar contra os conflitos de interesses na política.

É por tudo isto que a votação de Grillo e do seu movimento de cidadãos moldado online e animado em comícios de praças a abarrotar não deve surpreender. A responsabilidade do sucesso do 5 Estrelas é de todos os que governaram a Itália nos últimos 20 anos, de Berlusconi (primeiro-ministro em metade deste tempo) a Bersani (ministro durante oito anos em governos do centro-esquerda), passando por Monti, pelo seu aliado Pierferdinando Casini (líder dos cristãos-democratas) ou pela Liga Norte, com os seus escândalos de corrupção e discursos baforentos e xenófobos.

Grillo limitou-se a ver o que todos os outros quiseram ignorar. Viu que os italianos estão impacientes por mudança, por respirar um ar mais limpo, viu que a Itália já mudou sem que os partidos e os políticos se tenham apercebido disso ou apenas sem o quererem aceitar. Viu que a crise transformou a Europa e que pede receitas diferentes, novas formas de fazer política, de comunicar, de pôr as pessoas a pensar no que as rodeia e a procurar novos caminhos.

A Itália é ingovernável apenas porque aqueles que a governaram assim o quiseram. Haverá quem se sinta tentado a culpar os eleitores. Mas a culpa é mesmo dos eleitos.