Há 35 freguesias portuguesas que já têm o seu cemitério virtual

Foto
A Cemitérios Online diz que adesão das autarquias está a aumentar DR

Serviço foi criado há seis anos por uma empresa nacional que pretende alargar o negócio à Alemanha, Espanha e Brasil.

As pessoas que têm entes queridos sepultados num cemitério distante podem descobrir-se dispensadas de fazer uma grande deslocação para prestarem homenagem aos defuntos. Trinta e cinco freguesias permitem já que esse tributo seja prestado à distância, com pouco mais do que um clique num site na Internet.

Nas páginas específicas de cada cemitério online, informa-se que o internauta pode "publicar um tributo gratuito com praticamente tudo o que esteja relacionado com a vida do seu ente querido". Pode oferecer-lhe o upload de fotos, vídeos e textos, mas também encomendar o envio de flores, velas ou figuras de cera reis, através de empresas especializadas recomendadas no portal.

Além disso, os sites de cada freguesia que aderiu a este serviço "inédito" - criado há seis anos por uma marca nacional, a Cemitérios Online - disponibilizam um formulário para se fazer a participação de falecimentos recentes às juntas de freguesia. Os sites também permitem consultar o nome de todas as pessoas que estão sepultadas no cemitério real, bem como as respectivas datas de falecimento e número e tipo de jazida. Fornecem-se ainda dados estatísticos, notícias de necrologia, minutas de requerimentos e declarações e até os tais serviços de florista.

Contactado pelo PÚBLICO, Daniel Verde, o gerente da Cemitérios Online, afirma que este serviço tem merecido o "interesse de cada vez mais clientes e autarquias, que reconhecem as várias hipóteses de ajuda na organização documental dos cemitérios" proporcionada pela aplicação. A ideia é facilitar a gestão da logística destes espaços que, segundo o responsável, "estão muito desorganizados".

Daniel Verde sublinha a novidade e exclusividade do serviço, assegurado por 12 vendedores e por uma equipa de programação e de profissionais que fazem "levantamentos aéreos" (documento fotográfico) dos cemitérios aderentes. O gerente do directório vislumbra um crescimento no futuro e adianta que o negócio vai alargar-se à Alemanha, em Outubro ou Novembro deste ano, sendo que também já foram sondados os mercados brasileiro e espanhol.

Daniel Verde refere também que a receptividade do serviço por parte das populações tem sido positiva, compreendendo que "em cem pessoas, duas torçam o nariz" por não perceberem bem o conceito.

O PÚBLICO não encontrou ninguém disponível para precisar quanto custa este serviço às autarquias. O presidente da Junta de Forjães (Esposende) diz apenas que o serviço "não é barato, mas é de grande utilidade", seja para o executivo seja para a população.

A página inicial de cada cemitério online destaca de imediato as últimas inumações e as pessoas cujo aniversário de falecimento se assinala nesse dia. Qualquer um pode deixar mensagens de condolência, mas apenas os familiares ou donos das sepulturas registados têm uma palavra-chave que lhes permite publicar textos, fotografias e vídeos sobre o defunto.

A freguesia de Fão, Esposende, foi das últimas a aderir ao portal http://www.cemiteriosonline.com. Das 34 freguesias que já o tinham feito, 19 são do Norte, 14 do Vale do Tejo e uma é das Beiras.