Presidente da TAP apela ao “bom senso” dos trabalhadores

Sindicatos vão votar na próxima sexta-feira a realização de greves durante o mês de Março para contestar os cortes salariais impostos pelo Governo.

O encaixe da alienação da TAP e da ANA é adiado para 2013
Foto
Alteração à venda da TAP foi debatida no Parlamento Foto: Nelson Garrido

Face à elevada probabilidade de os sindicatos da TAP convocarem uma paralisação para o próximo mês, o presidente da companhia apelou nesta terça-feira ao “bom senso” dos trabalhadores pelo facto de a privatização estar prestes a ser relançada.

“No momento actual, em que se define se a empresa será ou não privatizada, [fazer uma greve] tira valor à empresa. É um momento crítico para gerar instabilidade”, afirmou Fernando Pinto, no final da conferência de imprensa onde divulgou os resultados do negócio de aviação do grupo (que gerou lucros de 16 milhões de euros em 2012).

O gestor brasileiro, que vai manter-se em funções até à venda da TAP, referiu que “não é o momento para uma paralisação porque todos nós sabemos o quanto a empresa sofre, principalmente em termos de tesouraria. É um momento para ter bom senso”.

Os oito sindicatos da TAP vão votar na próxima sexta-feira a convocação de uma greve para Março, em protesto contra os cortes salariais inscritos no Orçamento do Estado para 2013. A decisão foi tomada depois de o Governo ter comunicado aos representantes dos trabalhadores que não irá recuar nesta imposição.

Sugerir correcção