Desemprego continua a aumentar em França e atinge níveis de 1997

Dados serão publicados nesta terça-feira ao final da tarde, mas a imprensa antecipa um aumento difícil de inverter.

Foto
O aumento do desemprego tem estado na origem de vários protestos em França Fred Dufour/AFP

Os números de Janeiro dos inscritos no desemprego em França confirmam a tendência para uma subida e deverão aproximar-se do recorde de 1997 de 3,2 milhões de desempregados. Os resultados serão publicados nesta terça-feira às 18h (17h em Portugal continental) mas o jornal Le Monde antecipa os dados que apontam para um aumento em Janeiro, pelo 21.º mês consecutivo.

O Presidente François Hollande que antes dizia estar determinado a inverter a tendência "a qualquer preço", reconhece agora que esta só será invertida quando houver uma retoma da economia que não é esperada antes de 2014, nota o jornal. Com a previsão para 2013 a ser revista em baixa de 0,8% para 0,1%, o Eliseu não se compromete a avançar “objectivos garantidos sobre o emprego”, escreve o Le Monde citando uma fonte da Presidência.

Para um analista do Observatório Francês de Conjunturas Económicas, Mathieu Plane, ouvido por aquele jornal, prevendo-se um aumento da população activa de mais 100 mil a 150 mil este ano, só uma taxa de crescimento de 1,5% poderia inverter a tendência.

O analista Emmanuel Lechypre da rádio BFM constata, por outro lado, que nunca desde 1991 a França esteve abaixo dos dois milhões de desempregados e que a taxa de desemprego ultrapassou a barra dos três milhões no fim do 2012.

O desemprego é a principal preocupação dos franceses segundo uma sondagem realizada este mês pela Ipsos. Num outro estudo de opinião, divulgado no ano passado, 70% dos franceses mostraram-se pessimistas relativamente ao futuro do país, perante a intensificação da crise financeira na Europa.