Detective-chefe do caso Pistorius acusado de sete tentativas de homicídio

Acusações contra Hilton Botha tinham sido retiradas, mas foram retomadas. Investigador da polícia já entrara em contradição no tribunal.

Fotogaleria
Contradições e acusações contra Hilton Botha fragilizam a investigação STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Fotogaleria
Primeiras páginas dos jornais na quarta-feira deram destaque à versão do atleta STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Fotogaleria
Pistorius garante que a morte da namorada foi acidental STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Fotogaleria
No exterior do tribunal, é visível o aparato mediático que sustenta a atenção que o caso suscita a nível global STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
Fotogaleria
Irmão e pai de Pistorius, durante uma das audiências STEPHANE DE SAKUTIN/AFP

O principal detective da polícia que está a investigar o caso Oscar Pistorius é acusado de sete tentativas de homicídio, por ter disparado sobre uma carrinha de transporte de pessoas, em 2009.

A rádio EWN, citando fonte do ministério público sul-africano, avançou que o detective foi retirado do caso que envolve o atleta olímpico e paralímpico. “Não pode continuar nesta investigação”, disse a fonte. Mas a polícia diz que, para já, isso não está previsto. “Por enquanto, ele está com o caso. Não tomámos tal decisão”, afirmou o porta-voz, Neville Malila.

Já esta quinta-feira, a polícia de Pretória confirmou as acusações de homicídio contra Hilton Botha, que, aparentemente, fragilizam a investigação por si liderada. O detective deve responder pela acusação em Maio. Botha também entrou em contradição no tribunal que está a ouvir Pistorius, pondo em causa a fiabilidade da acusação contra o atleta.

“Fomos informados ontem [quarta-feira] das acusações de tentativas de homicídio contra Hilton Botha”, disse Neville Malila, na altura em que o campeão paralímpico chegava ao tribunal para nova audiência do caso em que é acusado da morte da namorada, Reeva Steenkamp. As notícias sobre Botha tornaram-se, segundo o jornal sul-africano Times, motivo de conversa antes no início da audiência desta quinta-feira.

As acusações contra os polícias tinham sido provisoriamente retiradas, mas foram retomadas, decisão de que a polícia diz ter sido informada no dia em que o detective foi ouvido no caso Pistorius. “Fomos ontem informados de que a acusação será retomada”, afirmou Malila. Bulelwa Makeke, porta-voz do ministério público, disse à rádio SABC que a acusação foi feita no dia 4 de Fevereiro, dez dias antes do início do “caso Pistorius”, e que não há qualquer relação com a investigação à morte de Reeva Steenkamp. 

“Botha e dois outros polícias tentaram alegadamente parar uma carrinha de transporte de pessoas, com sete passageiros. Eles dispararam”, disse Neville Malila à Reuters. Segundo a EWN, os disparos de Botha e dos outros agentes foram feitos durante a perseguição a um suspeito de homicídio. Informações da imprensa local indicam que estaria alcoolizado.

Sujeito a intenso interrogatório, na quarta-feira, Hilton Botha foi acusado pela defesa de afirmações não sustentadas, como a de que teriam sido encontradas caixas de testosterona no quarto de Pistorius, depois de ter falado inicialmente em esteróides. Interrogado mais tarde pelo advogado do atleta, Barry Roux, o polícia acabou por dizer que não tinha a certeza do conteúdo das caixas. E o procurador reconheceu que houve um erro no testemunho do detective.

Outro elemento que enfraqueceu o depoimento de Botha, segundo o jornal britânico The Guardian, foi a declaração sobre gritos alegadamente ouvidos por uma testemunha na casa de Pistorius, antes do crime. Ao ser questionado pela defesa, admitiu que a testemunha não identificou as vozes que ouvira a 600 metros de distância como sendo a do atleta e da namorada. Mais tarde, questionado pela acusação, corrigiu a distância para 300 metros.

Barry Roux explorou as fragilidades da investigação, procurando descredibilizá-la, e, segundo a AFP, criou na sala de audiência a ideia de que o caso se estava a desmoronar. Na manhã desta quinta-feira, disse em tribunal que as provas não sustentam a acusação de assassínio e, segundo o Times, criticou a “má qualidade” da investigação, que ficou “muito longe” de demonstrar que houve intenção de matar.

Mas o criminólogo Anthony Altbeker, citado pela agência, relativiza, para já, o aparente êxito da defesa. “Bons advogados podem muitas vezes ridicularizar a polícia”, afirmou. “O inquérito não terminou, há muita coisa que não se sabe e provavelmente há elementos que a polícia não quer revelar”. 

Nesta fase, o tribunal está apenas a decidir sobre o pedido de liberdade condicional apresentado pela defesa de Oscar Pistorius, que tem procurado defender a tese de morte acidental. Pelo contrário, o procurador entende que foi um assassínio premeditado. Na sua argumentação a favor da liberdade condicional, Barry Roux disse que Pistorius, depois de atingir a namorada, pediu ajuda com a intenção de a salvar. “Não faz muito sentido que uma pessoa tão conhecida fuja”, disse também. A decisão sobre o pedido de libertação está prevista para sexta-feira.

A namorada de Oscar Pistorius foi morta na madrugada de 14 de Fevereiro, em casa de Pistorius, nos arredores de Pretória. Reeva Steenkamp foi atingida a tiro pelo atleta, que foi o primeiro duplo amputado das pernas a competir em Jogos Olímpicos. 

A empresa de artigos de desporto Nike, que já tinha informado não ter planos para futuras campanhas publicitárias com o atleta, anunciou nesta quinta-feira a suspensão do contrato que mantinha com Oscar Pistorius. Na quarta-feira, o grupo francês de cosméticos Clarins anunciou que deixa de utilizar a sua imagem nos perfumes Thierry Mugler. Segundo o jornal Financial Times, os contratos publicitários rendiam ao campeão paralímpico cerca de 3,5 milhões de euros por ano. 

<_o3a_p>

Sugerir correcção