O país “aguenta tudo”, menos o poder imprudente, diz cardeal de Lisboa

José Policarpo revelou, em entrevista à RTP1, que costuma ser contactado pelos políticos. Aredita também que a crise na Europa "está para durar" e apelou à revolução cultural.

D. José Policarpo morreu na sequência de um aneurisma da aorta
Foto
D. José Policarpo morreu na sequência de um aneurisma da aorta Rui Gaudêncio

“A sociedade aguenta tudo. Esperamos que as linhas de conduta sejam realistas, mas prudentes. Não se deve usar o poder para fazer aquilo que não é preciso ser feito”, declarou D. José Policarpo ao ser questionado sobre os limites da resistência dos portugueses à austeridade.

Acerca do papel da Igreja Católica em tempos de crise, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa referiu que “tem de estar presente, atenta a quem sofre”, oferecendo “amor, verdade e fé”. Disse até que tem sido contactado pelos políticos deste Governo e dos anteriores. “Os políticos procuram-me, desde sempre”, garantiu.

D. José Policarpo afirmou que, no meio político, “há gente que está calada” e que “não há sentido de bem comum” se as pessoas não se sentirem “co-responsáveis” na sua comunidade.

Para o cardeal-patriarca de Lisboa, a crise na Europa “está para durar”. D, José Policarpo acredita que o chumbo do orçamento comunitário pelo Parlamento Europeu pode fazer “voltar tudo para trás” e “pode ser o gérmen do fim da união”.

Revolução cultural, precisa-se

Na entrevista conduzida pela jornalista Fátima Campos Ferreira, o cardeal defendeu uma “revolução cultural” para melhorar a sociedade, já que “a cultura tem na base a compreensão humana”. D. José Policarpo assumiu, sem nomear as circunstâncias, que a Igreja Católica “foi sofrendo um desgaste” e que nela se têm passado “coisas muito graves e tristes”.


Contudo, apontou que a Igreja não é só um repositório de “pecados e fraquezas”, tem “uma força silenciosa, a de muitos milhões de cristãos que procuram ser fiéis”.

Segundo o cardeal-patriarca de Lisboa, “a autenticidade cristã é maior” agora “do que há 50 anos”, havendo “testemunhos vivos de como é importante ter fé”.

Sobre o sacerdócio feminino, D. José Policarpo disse que o assunto “não é uma prioridade”. “A mulher é uma força enorme na Igreja”, declarou, sublinhando que as mulheres “mais empenhadas” na instituição “não têm essa reivindicação”.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa voltou a admitir como “pouco provável” a sua nomeação como papa, em substituição de Bento XVI, que renunciou e deixa a liderança da Igreja Católica a 28 de Fevereiro. Em jeito de brincadeira, D. José Policarpo disse que renunciaria “logo a seguir” se fosse escolhido.