Ana Banha/P3
Foto
Ana Banha/P3

Megafone

Modelos de negócio na área digital

Francisco Teixeira é dos participantes na conferência do P3 sobre “Jornalismo online: ensino, práticas e novos modelos de negócio”, dia 21, em Serralves, no Porto

Mudar é difícil…. E é mais difícil ainda quando, durante anos a fio, nos ensinaram a fazer as coisas de determinada forma e, de um dia para o outro, nos apercebemos que essa fórmula não funciona e precisamos de reaprender. 

 

Durante muito tempo fomos incutidos a desenvolver competências na área do “produto” ou “serviço”. Fomos ensinados a tornarmo-nos especialistas: grandes engenheiros, advogados, médicos, professores ou mecânicos. Os esforços foram todos dirigidos para a componente de: “O que produzir?” ou “o que oferecer?”. 

 

Mas os tempos mudam e as necessidades também. Hoje em dia, a diferenciação através do produto ou serviço é cada vez mais difícil de sustentar. As cópias sucedem-se, a concorrência aperta e, realisticamente, a maior parte das “inovações” deixam de o ser passados uns dias, semanas ou meses. Os grandes “monstros” tecnológicos investem milhões de euros em inovação para estar um passo à frente, mas a dificuldade de surpreenderem o mundo é cada vez maior. Para o comum dos mortais, que quer ter o seu pequeno negócio, esta guerra é totalmente desequilibrada. O campo de batalha tem que ser outro. 

 

Porque não mudar o paradigma, cortar com os dogmas e preconceitos e redirecionar os esforços para alcançar esta diferença de uma outra forma?

Porque não olharmos para o “meio” em vez de termos unicamente os olhos postos no “fim”? 

 

A diferenciação não tem que ser alcançada pela “oferta” propriamente dita, mas pode ser construída através da “forma como oferecemos”. Pode passar pela capacidade de “chegar primeiro”, de “comunicar eficazmente”, “de chegar às pessoas certas” e pela forma criativa como o fazemos. 

 

É neste cenário que existe uma oportunidade única: a exploração da área digital e a integração com as restantes áreas da comunicação.

 

Quando falamos do conceito “digital” parece que estamos a evocar um mundo alternativo que tem tanto de infinito como de distante. Mas não. Se quanto à imensidão não existem grandes dúvidas, relativamente à distância sucede exatamente o contrário. A digitalização da nossa sociedade faz cair barreiras, aproxima as pessoas e cria oportunidades. É simples e acessível. Nesta área a “emigração” não existe enquanto necessidade. Existe na realidade uma oportunidade para “irmos para fora cá dentro” e ultrapassarmos a fronteira do conforto do nosso sofá. 

 

Num país que todos os dias se queixa de si mesmo, a área digital e a sua confluência com outras áreas da comunicação são uma terra de oportunidades por desbravar que devemos agarrar com as duas mãos neste processo de reconstrução. 

 

Já dizia Einstein… “o nosso maior erro é fazer sempre as mesmas coisas e esperar resultados diferentes”. Numa altura em que, mais do que nunca, faz sentido questionarmos o “status-quo” e perguntar “porque não?”, a exploração de novos modelos de negócio nesta área é um caminho a explorar para alcançar a diferença e nos reinventarmos todos os dias. 

 

 

 

 

O debate pode ser visto em directo através da “home page” do P3 ou através deste “link”.

 

 

 

Sugerir correcção