Regresso de Hugo Chávez não afasta cenário de eleições na Venezuela

O Presidente foi reeleito mas não tomou posse por se encontrar em Cuba a recuperar de uma cirurgia. O seu estado de saúde continua a ser um mistério.

Hugo Chávez doi reeleito em Outubro
Foto
O Presidente não tomou posse depois da reeleição em Outubro Luis Acosta/AFP

Se a Venezuela avançar para eleições, o actual vice-presidente Nicolás Maduro, que foi apontado por Hugo Chávez como o seu sucessor natural, vencerá confortavelmente, dizem as sondagens.

A hipótese de novas eleições só se coloca se o Presidente abandonar o cargo ou se se vir impedido de cumprir o mandato. Mas o regresso surpresa de Hugo Chávez a Caracas não só não afastou essa possibilidade, como voltou a colocar a questão da sucessão na ordem do dia.

De acordo com os resultados de uma sondagem da empresa Hinterlaces, o vice-presidente alcançaria uma clara maioria de 50%, num cenário de disputa contra o anterior candidato da oposição, Henrique Capriles, cuja votação ficaria nos 36%.

Nicolás Maduro -- que Chávez indigitou como o seu sucessor  -- ficou a assegurar a gestão corrente do Governo venezuelano em Dezembro, quando o Presidente viajou para Cuba para uma quarta cirurgia na sequência de um cancro detectado no Verão de 2011.

Tudo indica que Maduro continuará no comando do Governo por mais algum tempo, enquanto o Presidente permanecer internado no hospital militar de Caracas.

Reeleito para um quarto mandato consecutivo em Outubro de 2012, Hugo Chávez ainda não foi formalmente empossado, e a questão agora é saber se essa cerimónia será conduzida no hospital ou adiada até que o Presidente esteja capaz.

O estado de saúde de Chávez continua a ser um segredo tão bem guardado em Caracas como quando se encontrava no estrangeiro: estará o Presidente em estado terminal, em pleno tratamento ou já na fase final da convalescença? Todas essas hipóteses foram avançadas após o regresso surpresa à Venezuela, na segunda-feira, depois de 72 dias de ausência.

Chávez ainda terá de passar por tratamentos sumamente complexos e duros, informou o vice-presidente Nicolás Maduro. Está a receber “cuidados paliativos”, precisou o ministro da Tecnologia, Jorge Arreaza, que é casado com uma das filhas do Presidente. “Anda pelo seu pé e sem nenhum processo invasivo”, testemunhou uma enfermeira do hospital de Caracas à estação estatal de televisão.

Sugerir correcção