Administração da RTP denunciou os acordos de empresa

Alberto da Ponte quer negociar acordo adaptado "à actual realidade" da empresa.

Alberto da Ponte
Foto
Alberto da Ponte Adriano Miranda

As denúncias dos acordos de empresa produzem efeitos a partir de 19 de Fevereiro e de 31 de Março, consoante as convenções em causa, a que se vinculam a RTP e dezenas de organizações sindicais, directa e indirectamente, de acordo com a notificação do conselho de administração da RTP, a que a Lusa teve acesso.

Após a denúncia, e nos termos do Código do Trabalho, inicia-se um período de sobrevigência dos acordos, sendo que o conselho de administração da RTP expressou desde já a “vontade” de “celebrar um novo acordo de empresa", que não pretende que seja "uma mera revisão dos clausulados anteriores, mas sim uma nova convenção colectiva, adaptada à actual realidade da empresa”.

A administração da RTP pretende que o novo acordo de empresa substitua os três anteriores, pelo que “prefere que as negociações tendentes à sua celebração se possam processar numa única mesa negocial”, com os diversos sindicatos.

Os sindicatos e a comissão de trabalhadores (CT) da RTP foram, por outro lado, convocados na sexta-feira para uma reunião na próxima segunda, dia 18, com um ponto único na agenda: “informação sobre o projecto de restruturação”, de acordo com um comunicado da CT divulgado no sábado à noite.

Depois de falhada a privatização ou concessão da RTP projectada pelo Governo, o ministro Miguel Relvas anunciou uma reestruturação da empresa pública de rádio e televisão, orçada em 42 milhões de euros.

Alberto da Ponte, presidente do conselho de administração da RTP, já assumiu a intenção de reduzir o peso dos salários de 35 para 25 a 28%.