Em dia de surpresas vindas do céu, asteróide passou perto da Terra como previsto

O asteróide 2012 DA14 passou como previsto a quase 28 mil quilómetros da superfície terrestre.

Fotogaleria
Imagem captada por um astrónomo amador na Austrália AFP / ESA - Dave Herald
Fotogaleria
Uma segunda imagem captada por um astrónomo amador na Austrália AFP / NASA - Dave Herald
Fotogaleria
Uma imagem ilustrativa do asteróide Reuters / Nasa

No dia em que vários meteoritos causaram surpresa em todo o mundo ao cair na região Russa de Cheliabinsk – destruindo vários edifícios e causando pelo menos 1200 feridos –, o asteróide 2012 DA14 passou como previsto a quase 28 mil quilómetros da superfície terrestre, a uma velocidade de oito quilómetros por segundo (várias vezes a velocidade do som) e invisível a olho nu.

O asteróide, que a NASA estima ter 130 mil toneladas e 45 metros de diâmetro, passou pela Terra muito acima da atmosfera, mas já dentro da cintura de satélites de meteorologia e comunicações geoestacionários (que estão sempre na mesma posição em relação a um ponto da superfície), que orbitam o planeta a cerca de 36 mil quilómetros. Não houve qualquer contacto entre o asteróide e os satélites.

Foi por volta das 19h30 que o asteróide esteve mais próximo da Terra, altura em que passava por cima da ilha indonésia de Sumatra. A distância é menos de um décimo da distância entre a Terra e a Lua e muito mais pequena do que o habitual para asteróides.

O 2012 DA14 tornou-se o recordista para um objecto desta dimensão a fazer uma passagem prevista tão próxima da Terra. Os astrónomos, incluindo a NASA, tinham a rota do asteróide monitorizada e já tinham garantido não haver qualquer risco de colisão. A próxima passagem deste asteróide que merece a atenção dos astrónomos, esclareceu a agência espacial americana, vai acontecer em 2046, mas a distância será muito maior do que a desta sexta-feira: o DA14 vai passar a cerca de um milhão de quilómetros do centro da Terra.

Alguns especialistas chegaram a descrever os meteoritos que caíram na Rússia como podendo estar relacionados com o DA14, mas tanto especialistas ouvidos pelo PÚBLICO, como um comunicado divulgado pela NASA esclareceram não haver relação entre os dois fenómenos.

Apesar de a passagem do DA14 ter sido inteiramente prevista e não ter colocado qualquer risco, suscitou inevitavelmente o debate sobre a protecção do planeta em relação a eventuais impactos com asteróides. A NASA garante ter já arrancado com vários projectos para “entender melhor a natureza dos asteróides e como estes podem ser desviados de uma trajectória de impacto com a Terra”. Além disto, a agência está a trabalhar no desenvolvimento de tecnologia que pode vir a permitir missões a estes objectos – tanto apenas com robôs, como com astronautas. Um potencial objectivo destas missões será a exploração de minerais.