Igreja encerrada há 30 anos nos Açores reabre como Museu do Franciscanismo

Nova estrutura museológica servirá simultaneamente de centro interpretativo e de estudo da presença franciscana no arquipélago.

Interior da igreja durante os trabalhos de recuperação
Fotogaleria
Interior da igreja durante os trabalhos de recuperação DR
Exterior já recuperado da igreja
Fotogaleria
Exterior já recuperado da igreja DR

A igreja do antigo convento de Nossa Senhora da Guadalupe, na Ribeira Grande, conhecida localmente como Igreja dos Frades, reabriu esta quinta-feira como Museu Vivo do Franciscanismo.

A reabilitação do templo do século XVII, propriedade da Santa Casa da Misericórdia, resulta de um protocolo estabelecido com a Câmara Municipal da Ribeira Grande, que passou a ser responsável pela sua utilização para o transformar em museu. “A igreja estava muito degradada e esteve encerrada ao culto durante 29 anos”, conta Ricardo Silva, o presidente da autarquia que levou a cabo o projecto de recuperação desta “pequena jóia”.

A recuperação do edificio, orçada em cerca de meio milhão de euros, contemplou o exterior e "o importante património interior", como retábulos datados da fundação da igreja e imagens que relatam a história de São Francisco, acrescenta o autarca. Assim foi possível recuperar "um valioso património", como uma pintura que, segundo os especialistas, "vem a ser o quarto exemplar do país dedicado à devoção a Santa Úrsula" e ainda a chamada imagem de “Cristo atado à coluna”, que retrata o denominado momento da Paixão.

O museu, sublinha Ricardo Silva, pretende ser um local onde as pessoas possam interpretar a filosofia, a mística e os princípios da vivência franciscana, bem como a importância do franciscanismo, quer no povoamento, quer no desenvolvimento dos Açores”. É também seu objectivo, acrescenta, continuar a salvaguardar o património imaterial referente às actividades da Ordem dos Terceiros, designadamente responsabilizando-se pela recolha de testemunhos e de registos visuais da procissão e dos seus preparativos, de forma a assegurar a continuidade da sua divulgação no contexto expositivo.

A presença de franciscanos nos Açores data dos primórdios da ocupação insular, quando estes se instalaram na ilha de S. Maria, em 1446, tornando-se pastores da primeira igreja mariense, invocada a Nossa Senhora da Conceição, recorda Susana Goulart Costa, da Universidade dos Açores. Entre finais do século XV e meados do XVII, a comunidade franciscana edificou 18 mosteiros em todas as ilhas, excepto no Corvo: seis em São Miguel, três na Terceira, dois em S. Jorge, dois no Pico e no Faial, e um em Santa Maria, na Graciosa e nas Flores. Segundo a investigadora, na Ribeira Grande, a fundação do Convento dos franciscanos está ligada ao desenvolvimento populacional e urbano da costa norte de S. Miguel. Em 1592, Gonçalo Alvares Batateiro e sua mulher, Inês Pires, conseguem licença do bispo de Angra, D. Manuel De Gouveia, para construírem uma ermida sob a invocação de Nossa Senhora de Guadalupe.

A partir de1612, a ermida seria ampliada e anexada a um convento, inaugurado na década de 1620. A partir de então, o espaço foi sendo ampliado, “fruto de várias doações, pois o seu crescimento era necessário para garantir a subsistência dos 30 religiosos que já lá residiam na primeira metade do século XVIII, os quais se ocupavam em actividades pastorais, evangélicas e pedagógicas. Com a implantação do liberalismo, as ordens religiosas foram extintas em1834 e, em consequência, os frades viram-se obrigados a abandonar o edifício”, descreve Susana Costa.

Neste período, a Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande, tendo em atenção que o ex-convento se encontrava desocupado, solicitou à Rainha D. Maria II a concessão do mesmo, para instalação do seu hospital. O pedido foi satisfeito em 1839, ficando a Santa Casa como sua proprietária. Todavia, ao longo dos séculos, a estrutura do templo foi ficando muito debilitada.

A transferência da sede da Misericórdia da Igreja dos Frades para novas instalações na Rua da Conceição, em 1986, agravou ainda mais o estado do edifício, cada vez mais esvaziado de funcionalidades religiosas. A sua reabertura, como museu, será também assinalada pela câmara, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia e a Paróquia da Conceição, com a realização, no próximo domingo, da procissão do Senhor Santo Cristo dos Terceiros, que passará a sair anualmente da igreja original, sendo composta por dez andores que relatam a história de São Francisco e dos santos franciscanos.