DR
Foto
DR

Morar em Mindelo: a aventura cabo-verdiana de Nuno Andrade Ferreira, jornalista de 30 anos

A paixão pelo jornalismo levou Nuno Andrade Ferreira até África. Acabou por se envolver com a cidade do Mindelo, na Ilha de São Vicente, e agora não quer outra coisa. É feliz por lá

O Nuno é aquilo que podemos definir ou descrever como um tipo divertido. Não tem papas na língua. Diz o que lhe vai na alma. É sincero. Directo. A sua sombra é o humor, sarcástico, provocador e irónico. Um homem que inala e expele alegria e um apaixonado pelas coisas boas deste mundo. E isso vai das mulheres bonitas a uma cerveja numa esplanada em frente ao mar enquanto o sol se põe. Mas tem tanto de divertimento como de seriedade. Quem o conhece descreve-o como um excelente profissional e alguém que é imparcial e, também, justo. Sabe quais são os limites e que há um momento para tudo. Equilibrado, pois então.

O Nuno Andrade Ferreira nasceu no Seixal há 30 anos e estudou ciência política no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Mas desde muito cedo soube o que queria ser: “Sempre quis jornalismo, desde miúdo. Estudei ciência política porque achei preferível um curso que me desse formação numa área mais especifica e que também sempre me agradou.”

Desde então, e antes de se estabelecer no Mindelo, passou por um canal de televisão em Angola e, já em Cabo Verde, por um jornal. Um trajecto africano que misturou acaso com origens familiares. Origens que formam um triângulo entre Angola, Brasil e Portugal. “Tenho uma maravilhosa mistura genética e cultural”, realça.

PÚBLICO -
Foto
Jorge Baldaia escreve quinzenalmente a rubrica Notícias do Lado de Lá

A realidade é que o destino acabou por o levar até ao Mindelo, onde reside desde 2010 e coordena, actualmente, a Rádio Morabeza. Uma rádio generalista e jovem onde se fala crioulo e português e que vai “ao encontro das pessoas". "Ouvimos as preocupações das populações locais e apostamos muito em emissões em direto e fora dos estúdios”, refere. Uma rádio em crescimento e que, a partir de Abril, vai alargar-se ao resto do país.

PÚBLICO -
Foto

Uma cidade em festa

PÚBLICO -
Foto

Mindelo é a sede de concelho de São Vicente e a segunda maior cidade de Cabo Verde, com cerca de 47 mil habitantes. Virada para o mar e com uma das baías mais bonitas do mundo é famosa pelo seu porto (Porto Grande), que serve de escala transatlântica a muitos navios, mas também pela sua actividade cultural e da qual Cesária Évora foi expoente máximo. Talvez por isto tudo seja uma cidade animada e que sabe receber bem quem vem de fora. “Uma cidade pequena, onde não falta nada daquilo que é essencial, e que é possível percorrer de uma ponta à outra em pouco tempo”, descreve Nuno.

E bastaram apenas alguns meses em Cabo Verde para que Nuno se encantasse com o Mindelo. “Gostei tanto que percebi logo que era aqui que queria viver”, salienta. A mudança foi rápida e a paixão quase imediata. Acabou por perceber o Mindelo. “Temos que passar aqui algum tempo. Disse-me uma vez alguém que, quando nos envolvemos na vida da cidade e quando entramos na dinâmica, não queremos outra coisa.”

E toda essa envolvência passa por várias coisas: “sol todo o ano, poder ir a quase todo o lado a pé, conhecer pessoas, ambiente leve e a sempre boa disposição”. E essa alegria parece ser contagiante e difícil de resistir — “São Vicente está sempre em festa. Qualquer motivo é pretexto para uma festa. E são sempre boas”, realça.

Esta grande festa tem impacto na sua vida social e reflecte-se no seu grupo de amigos que, à semelhança da cidade, “é variado”, e inclui várias nacionalidades. Respira-se uma “grande alegria de viver” mas isso, destaca Nuno, não significa que sejam "preguiçosos". "Trabalha-se muito, por vezes até demais”, confessa. E é aqui que parece residir a grande diferença entre a sociedade local e a europeia, na alegria de viver. Segundo o Nuno há um claro “desprendimento em relação aos bens materiais". "Relativizamos o ganhar pouco, não termos um carro ou a casa ideal. Não é que não se ambicione mais. Claro que se ambiciona. Mas não condicionamos a nossa alegria de viver a isso. Tanto que nas ruas não temos vergonha de sorrir.” Compreendemos até porque constatamos que um sorriso parece ser algo cada vez mais raro em muitos países europeus...

Mas voltemos ao Nuno. A viver fora de Portugal há cinco anos, olha para a terra natal com alguma apreensão. “Percebes que as pessoas estão enganadas. Que precisam, de facto, de aprender a viver com menos. Mas não porque o governo obriga ou os impostos altos não deixam. As pessoas têm de viver com menos porque só assim vão encontrar nelas, na família e nos amigos, aquilo que realmente importa. E o que importa é aquela felicidade que falei anteriormente”, conclui.

Sobre o futuro, Nuno confessa que não pensa nele “de forma definitiva". "Há uma coisa que eu sei: preciso de trabalhar para viver. Se um dia deixar de ter trabalho aqui, tenho que o procurar noutro sítio.” Já sobre um possível regresso mantém o tom pragmático que o carateriza: “Voltarei a Portugal se acontecer (e se valer a pena) ou se for preciso.” Não podia ser mais esclarecedor.