PS espera maioria absoluta em Matosinhos apesar da dissidência de Guilherme Pinto

Autarquia quer orçamento "transparente e participado"
Foto
Autarquia quer orçamento "transparente e participado" Nelson Garrido

O socialista António Parada apresentou formalmente a candidatura à Câmara de Matosinhos nas próximas autárquicas. Apesar da dissidência do actual presidente da autarquia, Guilherme Pinto, que deixou o PS para se recandidatar como independente, Parada diz que “o partido está unido” a seu lado.

Sob o lema “Projectar Matosinhos”, o ainda presidente da Junta de Freguesia de Matosinhos e líder da concelhia do PS/Matosinhos escolheu o local onde nasceu, a Casa dos Pescadores, para fazer a apresentação formal da sua candidatura para as próximas autárquicas.

António Parada contou com a presença do secretário nacional Miguel Laranjeiro – que levou mensagem de apoio e “abraço” de António José Seguro –, dos deputados Francisco Assis, Manuel Seabra e Fernando Jesus, do líder da federação distrital do PS/Porto, José Luís Carneiro, dos presidentes de Câmara da Vila do Conde e da Trofa, Mário Almeida e Joana Lima, respectivamente, e dos candidatos socialistas às câmaras da Maia (Ricardo Bexiga), Santo Tirso (Joaquim Couto) e Valongo (José Manuel Ribeiro).<_o3a_p>

No discurso que encerrou a cerimónia, António Parada sublinhou o facto de ter o apoio de todos os presidentes de junta eleitos pelo PS, garantindo que “o partido está unido” e está com a sua candidatura. O socialista quer projectar Matosinhos “para o plano nacional e internacional”, tendo assumido a área social como a primeira das quatro grandes prioridades da sua candidatura.<_o3a_p>

Por seu turno, José Luís Carneiro disse que António Parada “vai precisar de todas e de todos” para vencer as dificuldades com que se vai confrontar nesta corrida mas é peremptório quanto ao resultado final: “ele vai conseguir a maioria absoluta”.<_o3a_p>

Já Miguel Laranjeiro recordou que o PS “é o maior partido” em Matosinhos e garante que vai continuar a sê-lo depois das próximas autárquicas. “Fizemos a escolha do candidato de acordo com a vontade dos militantes. O desafio agora é unir internamente e alargar externamente”, disse.<_o3a_p>

Questionado pelos jornalistas sobre um eventual apoio do ex-presidente do PS da Câmara de Matosinhos e vereador independente na oposição, Narciso Miranda, o candidato socialista disse apenas que recebeu “abraços de muitos cidadãos de Matosinhos, alguns mais conhecidos, outros menos conhecidos”. “Há um espaço na minha candidatura para todos aqueles que se identifiquem com os ideais do PS.”<_o3a_p>

Parada disse contar “com todos os socialistas ou com aqueles que se identificarem com o Partido Socialista para projectar Matosinhos para o plano nacional e internacional” e acredita que o concelho “vai ser o motor da economia nacional e da economia distrital”.<_o3a_p>

O candidato do PS estabeleceu também como prioridade fazer de Matosinhos o município que “concentra as principais infra-estruturas de ligação da Área Metropolitana do Porto, com o Mundo e como polo de actividades económicas competitivas”. Parada quer ainda apostar na criação de emprego e fazer dos “centros urbanos do município locais onde se viva com elevada qualidade”.<_o3a_p>