Rainha Beatriz da Holanda abdica a favor do filho Guilherme

A três dias de comemorar 75 anos de idade, Beatriz cumpre uma tradição das últimas décadas na Holanda: ceder o trono.

A cerimónia de investidura está marcada para 30 de Abril
Foto
A cerimónia de investidura está marcada para 30 de Abril Robin Utrecht/AFP

A rainha não está morta, viva o rei! Nas últimas seis décadas, tem sido esta a proclamação que acompanha o anúncio da subida ao trono de um novo monarca na Holanda, uma tradição sem igual nas restantes monarquias europeias.

Esta segunda-feira, foi a vez da rainha Beatriz abdicar voluntariamente do topo da monarquia constitucional do país. O sucessor é o seu filho Guilherme Alexandre, que será investido no final de Abril.

"É com a maior confiança que entregarei o trono ao meu filho Guilherme e à sua esposa Máxima, no dia 30 de Abril", anunciou a monarca numa comunicação ao país — a três dias de comemorar 75 anos de idade —, em que se declarou "convencida" de que ambos estão "preparados para assumir a responsabilidade".

Beatriz rejeitou a ideia de que a idade começava a pesar e apontou outro motivo para a sua decisão: "Não abdiquei porque o cargo era pesado de mais para mim, mas porque a responsabilidade por este país deve recair nas mãos de uma nova geração."

Na hora da saída, as palavras da rainha Beatriz curvaram-se perante o povo holandês: "Agradeço-vos muito a confiança que em mim depositaram nestes anos em que tive o privilégio de vos servir como rainha."

A decisão da rainha Beatriz mereceu uma reacção imediata do primeiro-ministro, Mark Rutte, que destacou o envolvimento da monarca no acompanhamento de desastres naturais no país.

"A rainha esteve sempre presente nos bons momentos, mas também nos maus momentos. O seu conhecimento e compaixão fizeram dela um ícone da Holanda", lê-se num comunicado do primeiro-ministro, citado pelo site do jornal britânico The Guardian.

Os rumores sobre a saída de Beatriz do trono da Holanda já circulavam há mais de um ano. Em Janeiro de 2012, no dia do seu 74.º aniversário, tudo levava a crer que Guilherme Alexandre iria ser investido ainda nesse ano. Era o próprio Governo de centro-direita que o dava a entender. "O príncipe herdeiro, Guilherme, está pronto para reinar", frisou então um porta-voz governamental.

A própria rainha admitiu esta segunda-feira que a ideia estava a ser equacionada há muito tempo: "É uma boa altura para tomar esta decisão, que já estava a ser pensada há alguns anos."

A confirmação chegou pela boca da própria rainha, mas o acto em si não é uma novidade para os súbditos holandeses. Desde que a rainha Guilhermina abdicou do trono a favor da sua filha Juliana, em 1948, a casa real da Holanda não tem abdicado desta tradição: o herdeiro não precisa de esperar pela morte do regente para ser investido. Trinta e dois anos depois, foi a vez de Juliana sair de cena e deixar o trono a Beatriz, que tem chefiado o Estado desde 1980.

O futuro rei, o príncipe Guilherme Alexandre, tem 45 anos e é casado com a argentina Máxima Zorreguieta, de 41 anos, filha de Jorge Zorreguieta, ministro da Agricultura no regime de Jorge Rafael Videla, considerado por muitos o ditador mais cruel da América Latina.

Guilherme e Máxima casaram-se no dia 2 de Fevereiro de 2002, numa cerimónia que não contou com a presença da família da noiva devido à imagem negativa de Jorge Zorreguieta na Holanda.

Com a cerimónia de investidura marcada para 30 de Abril, Guilherme Alexandre será também o primeiro rei da Holanda em mais de 100 anos, depois de Guilhermina (1890-1948), Juliana (1948-1980) e Beatriz.