Joana Ricou, ou quando ciência e arte se unem na mesma pessoa

A viver nos EUA, Joana Ricou faz a primeira exposição individual em Portugal – Um, Nenhum e Cem Mil, até 15 de Fevereiro em Lisboa –, em que as células imortais de uma mulher e os meandros da memória inspiraram uma viagem sobre a fragmentação do corpo e da mente, com um toque de Pirandello. Outros trabalhos seus já se espalharam pelo mundo, na capa de revistas científicas e num filme.

Fotogaleria
Auto-retrato de Joana Ricou, com os seus micróbios, que inspirou uma capa da revista Nature
Fotogaleria
A artista ao lado de um dos painéis da peça O Nosso Auto-Retrato: O Microbioma Humano Txuca Photography
Fotogaleria
Tubo, da série sobre os micróbios que vivem em nós
Fotogaleria
As células de Henrietta Lacks tal como a artista as vê
Fotogaleria
Quadro da série Multitudes, dedicada à formação de memória e ao acesso a elas
Fotogaleria
Quadro da série Multitudes, dedicada à formação de memória e ao acesso a elas

Henrietta Lacks morreu há mais de 50 anos, mas as suas células encontram-se dispersas por laboratórios científicos de todo o mundo, a crescerem fora do seu corpo, a serem utilizadas em investigações sobre o cancro, sobre genes, sobre sida, vacinas... Há mais células fora do corpo dela do que alguma vez ela teve quando foi viva — e a história desta mulher e dos pequenos fragmentos do seu corpo que a transcenderam muito para lá da morte, e permitiram a publicação de milhares (sim, milhares) de artigos científicos e importantes descobertas médicas, fascina Joana Ricou, bióloga e pintora portuguesa que vive nos Estados Unidos e tem agora em Portugal sua primeira exposição individual.

Henrietta Lacks era uma norte-americana negra que trabalhou na plantação de tabaco da família na Virgínia até se mudar para Baltimore, no estado de Maryland, na década de 1940 e se dedicar aos cinco filhos e ao marido, trabalhador numa siderurgia. Poucos meses antes de morrer, em 1951, descobriu um caroço no colo do útero. O médico que lhe extirpou o caroço canceroso também tirou pedaços de tecido para uma biopsia, sem que alguém lhe tivesse pedido autorização.

As suas células acabariam por ser as primeiras a manterem-se vivas fora do corpo, em laboratório, e assim se tornaram a linha celular humana mais antiga e mais usada pelos cientistas em todo o lado, que as designam apenas por células HeLa.

No corpo, as células cancerosas são imortais, continuando a dividir-se vezes sem conta, mas no laboratório, até então, ninguém sabia de que nutrientes precisavam para continuarem a proliferar e qual o meio de cultura indicado. Ao fim de semanas morriam todas, mas as de Henrietta Lacks não (hoje, isso é possível com substâncias químicas ou vírus, mas as dela faziam-no sozinhas). Além disso, as mutações genéticas que as tornaram cancerosas faziam-nas dividir-se a um ritmo alucinante.

No calor do entusiasmo, o cientista George Gey, que tentava há décadas cultivar células cancerosas sem sucesso, no Hospital Johns Hopkins, distribuiu as células imortais de Henrietta por outros laboratórios, sem cobrar dinheiro. “A descoberta das células HeLa foi uma epifania para os investigadores, pois permitiram experiências que teriam sido impossíveis num ser humano vivo”, refere a jornalista de ciência Rebecca Skloot no livro A Vida Imortal de Henrietta Lacks, de 2009 (Casa das Letras).

Para manter o anonimato, dizia-se que HeLa eram as iniciais de Helen Lane ou Helen Larson e só em 1971, 20 anos depois da morte da mulher na origem disto tudo, o seu verdadeiro nome foi revelado — mas numa revista de obstetrícia e ginecologia. Por isso, a família, que continuava pobre, permaneceu mais algum tempo na ignorância sobre tudo o que estas células estavam a permitir fazer.

Com as HeLa, Jonas Salk testou em larga escala a primeira vacina para a poliomielite nos anos de 1950 e, para tal, criou-se a primeira fábrica de células, que produzia 6000 milhões por semana. Nelas, viram-se os efeitos da gravidade zero nas células humanas, levando-as até ao espaço; descobriu-se que os cromossomas humanos são 46 e não 48, o que possibilitou diagnosticar doenças como a síndrome de Down; fizeram-se experiências com fármacos; e ganhou-se muito dinheiro a vendê-las.

“Não há maneira de saber quantas células de Henrietta estarão hoje vivas. Um cientista estima que, se pudéssemos pôr numa balança todas as HeLa cultivadas, elas pesariam 20 toneladas”, escreve Rebecca Skloot, que calcula já terem sido publicados 60 mil artigos com base nelas.

Retrato da bioartista

Joana Ricou cruzou-se com estas células por acaso, em 2005 ou 2006, numa conferência na Universidade de Carnegie Mellon, em Pittsburgh, EUA. Era sobre técnicas de visualização do citoesqueleto, as proteínas que mantêm a forma das células, e um estudante apresentava um trabalho sobre um método de iluminação de certas estruturas. “A técnica correu mal. Ele tinha falhado e iluminado milhares de estruturas dentro das células. Mas eu achei lindíssimo. E eram as células de Henrietta Lacks”, lembra Joana Ricou. “Comecei aí a interessar-me sobre como a ciência encontra as partes do corpo. A parte fundamental é a célula — e as de Henrietta Lacks foram as primeiras a viver para lá do corpo original.”

O resultado do fascínio de Joana Ricou por esta mulher e as suas células, “por todas as razões e mais alguma”, é a série de quadros abstractos Henrietta Lacks ou células imortais HeLa. Entre os 20 trabalhos expostos em Um, Nenhum e Cem Mil, até 15 de Fevereiro em Lisboa, na galeria Edge Arts, no Espaço Amoreiras, estão dois desta série. “[Nos quadros] vêem-se só umas linhas. Foco-me no citoesqueleto, que é formado e fragmentado à medida que a célula decide o que quer fazer”, explica a bioartista, que apresentou esta exposição em Nova Iorque em 2012. “A unidade fundamental do corpo é a célula, mas o que acontece quando a célula imortal transcende o corpo?”

Além da famosa história das HeLa, o seu interesse no tema é mais lato. “Na minha arte exploro o tema da descontinuidade biológica, no sentido em que a ciência encontra novas maneiras de definir fronteiras e compartimentações no corpo.”

Quem é então Joana Ricou? Tem 31 anos, diz que sempre desenhou e pintou, começou por estudar bioengenharia em Lisboa — “que odiou” — e a certa altura quis passar um Verão num laboratório na Universidade de Carnegie Mellon (onde estava e continua a sua tia Irene Fonseca, matemática) para “aprender o que significava fazer investigação científica”, recorda no site Artsicle. Ao descobrir que podia estudar ao mesmo tempo arte e biologia, declarou que “ia trabalhar em ciência e arte ou morria”, e em 2000 entrou numa licenciatura combinada de biologia (celular e genética) e belas-artes (pintura). 

Leia mais no PÚBLICO desta segunda-feira e na edição online exclusiva para assinantes.