Eurocépticos aplaudem Cameron, trabalhistas contra referendo

Bancada conservadora diz que a questão europeia foi resolvida dentro do partido. Oposição diz que, ao comprometer-se com referendo que coloca como alternativa a saída da UE, primeiro-ministro esqueceu o interesse nacional.

Ed Miliband acusou o primeiro-ministro de ter mudado de posição sobre a UE
Foto
Ed Miliband acusou o primeiro-ministro de ter mudado de posição sobre a UE Jeff Overs/Reuters

Entre o aplauso entusiasta e as críticas contidas. Foi assim que os partidos britânicos reagiram à promessa feita nesta quarta-feira pelo primeiro-ministro de renegociar a participação do Reino Unido na União Europeia e de, concluído o processo, perguntar aos cidadãos se querem permanecer na união.

Numa primeira reacção ao discurso, o partido trabalhista afirmou que, ao ceder à pretensão dos eurocépticos, Cameron definiu-se como “um primeiro-ministro fraco, comandado pelo seu partido e não pelo interesse nacional”.

Horas depois, na sessão semanal de perguntas ao primeiro-ministro, o líder do Labour anunciou que é contra um referendo que coloque como alternativa a saída da UE. "A minha posição é a mesma do que quando votámos juntos contra um referendo de 'sim ou não'", disse Ed Miliband,  numa referência à proposta apresentada pela ala direita dos conservadores, que obrigou Cameron a recorrer aos votos dos trabalhistas para conseguir chumbar a consulta sobre a permanência na UE.

As reticências do maior partido da oposição têm menos a ver com a intenção de rever os termos da adesão – Ed Miliband, o líder do partido, admitiu na semana passada que o país deveria repatriar algumas das competências atribuídas a Bruxelas – e mais com a porta entreaberta deixada por Cameron para uma eventual saída. “Compreendemos a necessidade de mudança, mas honestamente não acreditamos que a melhor maneira de conseguir essa mudança num grupo de 27 seja ficarmos junto à porta de saída e exigir que ou há mudança ou vamo-nos embora”, disse à BBC Douglas Alexander, porta-voz do Labour para as questões externas.

Também Peter Mandelson, ex-comissário europeu e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros trabalhista lamentou que, para acalmar os eurocépticos da sua bancada, o primeiro-ministro queira forçar a UE a reabrir o debate interno. “Não creio que terá uma resposta muito positiva dos nossos parceiros na Europa. Eles não olham para a UE como uma espécie de self-service, em que levamos o nosso tabuleiro e trazemos apenas o que queremos”.

Os liberais-democratas, parceiros dos conservadores no Governo, lamentam a incerteza que todo este processo trará para o Reino Unido, em particular para as empresas exportadoras. O vice-primeiro-ministro, Nick Clegg, ele próprio um antigo funcionário em Bruxelas, disse à BBC que envolver o país numa discussão longa e sem resultado garantido “não é do interesse nacional”.

Ao anunciar que nas próximas legislativas vai pedir aos eleitores um mandato para negociar uma união mais flexível com Bruxelas, Cameron torna menos provável a repetição da coligação com os lib-dem, o mais europeísta dos partidos britânicos, o que poderá forçá-lo a procurar alianças com os eurocépticos do UKIP para conseguir uma maioria que, segundo as sondagens actuais, terá dificuldade em conseguir.

Eurocépticos eufóricos

Na bancada conservadora, até agora muito dividida sobre o tema, foi hoje difícil encontrar críticas ao discurso do líder.

Foi uma intervenção “ponderada, pensada e há muito devida”, disse ao jornal Guardian Mark Pritchard. O deputado, que tem liderado o coro eurocéptico, deixou claro que, ao comprometer-se com o referendo, Cameron resolve “o assunto Europa no Partido Conservador”. “O problema foi agora transferido para o partido de Miliband”, disse Pritchard, dizendo acreditar que, até 2015, o líder trabalhista será forçado pela opinião pública a comprometer-se também ele com um referendo sobre a permanência na UE.

Também os mais moderados elogiaram o primeiro-ministro por, no seu discurso, ter citado as vantagens de permanecer na União e de ter dado enfase à necessidade de reforma, ao invés de apresentar a lista de poderes que pretende repatriar. “É tempo de os conservadores eurocépticos cantarem vitória e de falarem sobre outras coisas”, disse ao Guardian Michael Ashcroft.

Já Nigel Farage, líder do UKIP, partido que centra todo o seu discurso na saída britânica da UE, lamentou apenas que o referendo prometido por Cameron não seja realizado já – no seu discurso, o primeiro-ministro apontou 2017 como data provável. Saltando por cima dos argumentos apresentados por Cameron para defender a permanência na UE, Farage sublinhou que, depois deste discurso, “o génio saiu da lâmpada” e os eurocépticos vão fazer tudo para garantir que a vitória do “não”. “Ganhar este referendo, se e quando for realizado, não será fácil, mas sinto que a nossa tarefa começa hoje”, afirmou.