Relator do FMI sobre Portugal destituído em Espanha por falsa autoria

Granados é acusado de falsa autoria de uma série de trabalhos pagos pela Fundación Ideas, que agora o destituiu.

Foto

Carlos Mulas Granados, um dos autores do polémico relatório do FMI sobre Portugal, no qual aponta onde o Governo deve cortar na despesa até quatro mil milhões de euros, foi destituído nesta quarta-feira de director-geral da Fundación Ideas, o think tank fundado pelo PSOE de José Luis Rodríguez Zapatero. Carlos Mulas é acusado por Jesus Caldera, máximo responsável executivo da fundação espanhola e antigo ministro de Rodríguez Zapatero, de falsa autoria de uma série de trabalhos pagos pela instituição espanhola.

A Fundación Ideas, segundo investigação do diário El Mundo, pagou até três mil euros por artigo a uma suposta colunista, Amy Martin. Contudo, este nome correspondia ao pseudónimo de Carlos Mulas Granados. Esta conclusão foi admitida ao jornal espanhol por Caldera, que exigiu a devolução das verbas.

Carlos Mulas Granados, que participou na elaboração do programa económico do PSOE para as eleições de 2004 e foi subdirector do departamento económico da presidência do Governo espanhol na primeira legislatura de Zapatero, chegou a defender políticas orçamentais expansivas como melhor resposta à crise económica.