Quando as gotas de água caem sobre o carro, o revestimento auto repara-se fauxla/ Flickr
Foto
Quando as gotas de água caem sobre o carro, o revestimento auto repara-se fauxla/ Flickr

E se nunca mais tivesses de lavar o carro?

Equipa liderada por cientista portuguesa desenvolveu um revestimento inovador que permite ao carro "auto-limpar-se"

Catarina Esteves lidera a equipa de cientistas do departamento de Engenharia Química da Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, e foi ela quem coordenou o estudo que levou à descoberta de um revestimento inovador.

Basicamente, até hoje, já foram desenvolvidos revestimentos com propriedades altamente resistentes à água ou até antibacterianos, mas que são facilmente corrompidos e irreversivelmente danificados, perdendo todas as propriedades que os caracterizam.

O que tem de especial este novo revestimento é que ele se "auto-cura". Basicamente, tem duas camadas ligadas com "caules" entre elas. Quando a primeira é danificada, os "caules" entram em acção, reorientando os componentes da segunda - que contém os químicos funcionais - para a superfície exterior, restaurando a sua função.

PÚBLICO -
Foto
Catarina Esteves lidera a equipa de cientistas que fez a descoberta DR

Carro limpo em cada dia de chuva

Para além da possibilidade de criar revestimentos contra a água que sejam realmente resistentes, este revestimento tem ainda a particularidade de permitir ao carro "auto-limpar-se".

Quando as gotas de água caem sobre o carro, o revestimento "auto-repara-se" e a sujidade acaba por sair com elas. Ou seja, bastará um dia de chuva para manter o carro limpo.

O único problema deste equipamento é que ele só se conseguirá "reabilitar" se o arranhão não atravessar todo o revestimento, ou seja, for apenas superficial.

Por isso, os centros de lavagem de carros não têm muito com que se preocupar, por enquanto. O projecto ainda está em desenvolvimento e Catarina quer levá-lo mais além, apostando em parceiras com outras universidades e até empresas.

A cientista portuguesa espera que os primeiros revestimentos estejam prontos para produção dentro de seis a oito anos, a preços acessíveis.

Sugerir correcção