Ciclistas exigem “mais respeito” e “modos suaves”

Em protesto contra atropelamentos e situações de insegurança, foram convocadas concentrações para várias cidades.

O mau tempo deu algumas tréguas aos ciclistas em Lisboa
Fotogaleria
O mau tempo deu algumas tréguas aos ciclistas em Lisboa Enric Vives-Rubio
Os ciclistas pediram mais respeito por parte dos automóveis
Fotogaleria
Os ciclistas pediram mais respeito por parte dos automóveis Enric Vives-Rubio
A concentração em Lisboa foi na Praça do Comércio
Fotogaleria
A concentração em Lisboa foi na Praça do Comércio Enric Vives-Rubio
Cerca de cem ciclistas reuniram-se no Porto
Fotogaleria
Cerca de cem ciclistas reuniram-se no Porto Rui Farinha
No Porto, a concentração foi em frente à câmara
Fotogaleria
No Porto, a concentração foi em frente à câmara Rui Farinha
Cilcistas exigiram "mais respeito"
Fotogaleria
Cilcistas exigiram "mais respeito" Rui Farinha

Ciclistas equipados a preceito em bicicletas de todo-o-terreno enlameadas, jovens com bicicletas imaculadas de design estilizado e muitas pessoas que fazem das duas rodas o veículo do dia-a-dia – largas dezenas reuniram-se esta tarde no Terreiro do Paço, em Lisboa, para apelar ao que chamam “modos suaves” na estrada.

Também no Porto, cerca de cem ciclistas concentraram-se em frente à câmara municipal, para protestarem contra os atropelamentos que se têm sucedido nas últimas semanas e para pedirem “mais respeito” pelos peões e ciclistas. As concentrações foram convocadas para várias cidades pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicletas (FBCUP).

O deputado do PSD Pedro Roque, dirigente da federação, juntou-se ao protesto em Lisboa, numa tarde em que o mau tempo deu algumas tréguas e quase não choveu. Admitiu que “a maior parte dos automobilistas” já é sensível à circulação de bicicletas, mas defendeu serem necessárias alterações ao Código da Estrada para proteger mais quem anda em duas rodas. A perda de prioridade das bicicletas, por exemplo, é uma das regras que considera já não fazer sentido, até porque, argumenta, muitos automóveis já tendem a dar prioridade a um ciclista que se apresente pela direita.

Também o duo de comediantes Homens da Luta, numa bicicleta dupla (Neto à frente, Falâncio atrás) circulou pela praça lisboeta. Mas não foram apenas fazer comédia. Dizendo que ia despir o personagem tanto quanto possível, Nuno Duarte (Neto) juntou-se a Pedro Roque e ao presidente da FBCUP, José Manuel Caetano, num pequeno palco onde se apelou a “mais respeito” por peões e ciclistas e onde foi lido um manifesto intitulado “Basta de atropelamentos”.

PÚBLICO -
Foto
Cilcistas exigiram mais respeito Rui Farinha

Os manifestantes fizeram depois, em marcha lenta e com muitas bicicletas pela mão, o curto percurso até aos Restauradores.

PÚBLICO -
Foto
No Porto, a concentração foi em frente à câmara Rui Farinha

Mais dez minutos, menos 240 euros
Ricardo Cruz, professor, foi um dos que esteve presente na concentração no Porto. Há três anos, andava de automóvel e achava os ciclistas “uns cromos”. Agora, do alto do selim da sua bicicleta, acredita que não podia ter feito uma escolha mais certa e garante que só há vantagens neste modo de transporte. Do Carvalhido à Maia demora 30 minutos, “mais dez do que de automóvel”, mas poupa “230 a 240 euros” por mês e anda bem menos stressado. “Tenho uma atitude zen”, brinca Ricardo.

PÚBLICO -
Foto
A concentração em Lisboa foi na Praça do Comércio Enric Vives-Rubio

O Porto não parece uma cidade feita para andar de bicicleta, mas a arquitecta Ana Brütt não concorda. O problema “não são os declives da cidade, mas sim os buracos e a falta de civismo”, retorque Ana, que lamenta que ainda haja tantos automobilistas a mandá-la subir para o passeio no seu circuito diário entre Francos e o Bolhão.

A concentração foi rápida, até porque o tempo não estava de feição, e os ciclistas começaram a dispersar depois de Sérgio Moura ter lido o manifesto da FPCUB, que defende “ o direito à estrada para todos os modos de transporte” e alerta para o problema dos atropelamentos. “Quem vai ao volante deve ter consciência de que está a conduzir o que pode ser uma arma letal”, rematou.
 

Artigo corrigido: foi Nuno Duarte, não Vasco Duarte, quem discursou.