Em 2015, a estação espacial vai ter um módulo insuflável

A agência espacial norte-americana NASA vai testar novos habitáculos flexíveis com vista a futuras missões tripuladas de longa duração.

O módulo insuflável, numa apresentação na sede da NASA
Foto
O módulo insuflável, numa apresentação na sede da NASA NASA

Algures em 2015, uma espécie de balão acoplar-se-á à Estação Espacial Internacional (ISS), anunciou a agência espacial norte-americana NASA.

Trata-se de um módulo habitável insuflável, desenvolvido pela empresa Bigelow Aerospace e que deverá lá permanecer durante dois anos. Durante essa estada, a tripulação e os engenheiros no solo irão proceder a uma série de testes, nomeadamente da sua integridade estrutural, monitorizando ainda a taxa de fugas de ar.

Entretanto, uma bateria de instrumentos a bordo do módulo, baptizado BEAM (Bigelow Expandable Activity Module) irão realizar medições dos níveis de radiação e de temperatura interiores, para depois comparar estes dados com os dos módulos convencionais em alumínio. Os astronautas da ISS também deverão penetrar periodicamente no módulo para recolher dados e efectuar inspecções.

“Esta tecnologia deverá permitir avanços importantes [em termos] dos objectivos a atingir para permitir a permanência humana de longa duração no espaço”, diz Lori Garver, administradora adjunta da NASA, num comunicado da agência. “A ISS é um laboratório único para testar tecnologias inovadoras como o BEAM”, salienta, por seu lado, William Gerstenmaier, um dos responsáveis, na NASA, pelas área das viagens tripuladas.

O insuflável espacial deverá ser lançado pela empresa SpaceX no âmbito do seu contrato em curso com a NASA para o reaprovisionamento da ISS. Mais precisamente, isso acontecerá na oitava missão comercial da SpaceX, programada para 2015. Uma vez acoplado ao módulo Tranquility pelo braço mecânico da ISS, o módulo BEAM será enchido com ar que ele próprio transportará para o espaço.

No fim da sua missão, o módulo será ejectado da ISS, para se vir desintegrar na reentrada na atmosfera terrestre.