Lance Armstrong pôs fim às dúvidas sobre o doping

Depois de mais de uma década a negar as acusações e suspeitas, o norte-americano terá reconhecido que se dopou para competir ao mais alto nível. Confissão foi feita a Oprah Winfrey, numa entrevista gravada na segunda-feira.

Foto
Lucas Jackson/Reuters

O ciclista que mais vezes ganhou a Volta a França recorreu, afinal, a drogas proibidas para melhorar a sua prestação atlética. Depois de anos a negar essa realidade, o norte-americano Lance Armstrong, de 41 anos, terá confessado o uso de doping numa entrevista a Oprah Winfrey, que será transmitida nos Estados Unidos na próxima quinta-feira, às 21h (2h de sexta-feira em Portugal continental).

O conteúdo da entrevista, gravada na segunda-feira, não é conhecido, nem as palavras exactas do ciclista, que ganhou sete vezes (1999-2005) a principal prova mundial daquela modalidade. Mas alguma coisa transpirou para a imprensa americana, que afirma nesta terça-feira que o atleta, natural do Texas, admitiu o recurso a substâncias proibidas.

The New York Times cita duas pessoas a quem foram passadas informações sobre a entrevista, gravada em Austin, no Texas. O jornal USA Today cita uma pessoa “familiarizada com a situação”. Essa fonte, acrescenta o jornal, falou à agência Associated Press, sob anonimato.

A conhecida entrevistadora norte-americana nada adianta sobre o conteúdo da conversa. No Twitter, limitou-se a deixar uma mensagem, na segunda-feira à noite, dizendo que tinha acabado de gravar com Armstrong, durante duas horas e meia, e que ele foi ao programa “preparado”.

Armstrong perdeu os sete títulos do Tour em 2012. Em Junho desse ano, a agência norte-americana antidopagem (USADA) acusou-o de batota, baseado em testemunhos de ex-colegas e de análises a amostras de sangue.

Num relatório com mais de 1000 páginas, a USADA garantia que os dados provam, "sem margem para dúvidas", que o antigo ciclista norte-americano e a equipa US Postal "montaram o mais sofisticado, profissional e bem-sucedido programa de doping da história do desporto". Conclusão: a União Ciclista Internacional adoptou as conclusões desse extenso documento, retirando a Armstrong todos os títulos e prémios monetários conquistados desde 1 de Agosto de 1998, e baniu o atleta para sempre.

O rei da Volta a França, como chegou a ser chamado, negou, durante mais de uma década, o uso de substâncias proibidas. Na véspera da entrevista com Oprah, Lance disse à imprensa que estava tranquilo. “Estou calmo, estou à vontade e preparado para falar com franqueza”, disse à Associated Press, em declarações citadas pelo jornal online Huffington Post.

Nas horas que antecederam a gravação, passou também pela sede da fundação Livestrong – que criou na sequência da luta que travou contra um cancro nos testículos –, para, num discurso emocionado, pedir desculpa aos colaboradores. Uma porta-voz da fundação descreveu que o ciclista falou durante 20 minutos, se engasgou de emoção e arrancou algumas lágrimas na sala, não admitiu o uso de doping e pediu desculpa pela confusão gerada pelo caso que o envolve.