Ex-deputado do CDS Manuel Queiró vai ser o novo presidente da CP

Nome do novo líder da CP já recebeu luz verde da comissão de recrutamento, mas um dos elementos da equipa foi chumbado.

Manuel Queiró vai presidir aos destinos de uma das empresas públicas mais difíceis de gerir
Foto
Manuel Queiró vai presidir aos destinos de uma das empresas públicas mais difíceis de gerir Nuno Ferreira Santos

O Governo escolheu um ex-deputado do CDS, Manuel Queiró, para presidente da CP. O nome do novo líder da transportadora pública já tinha sido enviado antes do Natal à comissão de recrutamento que avalia as nomeações para as empresas do Estado, mas só nesta quarta-feira obteve luz verde. No entanto, um dos elementos da nova equipa de gestão, que será composta por quatro pessoas, não foi aprovado, o que deverá atrasar a decisão final do executivo.

Manuel Queiró já tinha sido contactado no final de Dezembro, mas preferiu não fazer comentários. Também o Governo se recusou a avançar esta informação. Ontem, o PÚBLICO confirmou que o ex-deputado foi o escolhido para liderar a CP, substituindo José Benoliel, que estava há cinco anos na transportadora ferroviária, três dos quais como presidente, tendo renunciado ao cargo no último dia em que terminava o seu mandato.

Depois de ter sido deputado, Manuel Queiró destacou-se no Fórum Centro, uma entidade criada para defender os interesses da região centro e que tem procurado abrir o aeroporto de Monte Real ao tráfego civil. Na sua liderança, Manuel Queiró tem-se caracterizado por ser um homem de consensos, capaz de mobilizar políticos, deputados e autarcas de todo o espectro partidário.

A Comissão de Recrutamento e Selecção da Administração Pública (Cresap) reuniu-se ontem para decidir sobre os nomes propostos pelo Governo. De entre os quatro candidatos, um foi chumbado. Este resultado já era esperado, tendo em conta que esse candidato já tinha sido chamado para entrevista, na passada segunda-feira, o que indiciou as dúvidas em relação à sua adequação ao cargo.

Além de Manuel Queiró, foi aprovado o nome de Isabel Vicente para vogal com o pelouro financeiro, apurou o PÚBLICO. Isabel Vicente pertence ao quadro do Ministério das Finanças, mas é actualmente vice-presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes. Não é uma figura consensual na Autoridade Metropolitana dos Transportes. Quem a conhece descreve-a como uma "burocrata", com uma visão demasiado financeira e, como tal, adequada para aplicar os cortes exigidos à CP pelo Governo.

Chumbo adia nomeação oficial

A comissão de recrutamento enviou ainda ontem a deliberação à Secretaria de Estado dos Transportes, que tutela a CP. Se todos os candidatos tivessem recebido luz verde, o Governo poderia avançar já com a nomeação, muito provavelmente no Conselho de Ministros de hoje.


No entanto, com o chumbo que foi dado a um dos nomes propostos, a decisão final poderá agora ser adiada. É que, apesar de a avaliação da Cresap não ser vinculativa, o Governo tem optado por respeitar os pareceres da entidade. Se o executivo entender substituir o candidato que foi chumbado, terá de enviar uma nova proposta à comissão.

Manuel Queiró vai presidir aos destinos de uma das empresas públicas mais difíceis de gerir, tecnicamente falida e com um passivo de 3,7 mil milhões de euros. O seu antecessor, José Benoliel, despediu-se dizendo que já não era gestor porque não podia contratar pessoal, não podia investir, nem podia negociar contrapartidas com os trabalhadores. A CP tem 2900 funcionários (há quatro anos eram 4200). A percepção para a maioria dos ferroviários é que cada nova administração tem como objectivo prosseguir com o que consideram ser o "desmantelamento" da empresa.

Os cortes salariais, a redução do pagamento das horas extras e dos dias de descanso e a intenção de acabar com as concessões aos funcionários e familiares criam um clima laboral conflituoso, que é agravado pelas indefinições em relação ao futuro. Em 2013 o Governo quer privatizar a CP Carga e concessionar a privados a CP Lisboa e a CP Porto. Mas o executivo nunca informou a administração sobre qual o modelo a seguir.

Isabel Vicente tem pela frente uma tarefa que, simplisticamente, se pode resumir a uma folha na qual num verso estão as centenas de milhões e no outro os milhares de milhões. No primeiro estão os números da operação da CP, que em 2012 teve receitas de 309 milhões de euros e despesas de 342 milhões. O défice operacional, de 33 milhões, até melhorou face ao passado, mas os encargos financeiros atiram o défice para os 237 milhões de euros.

E é aqui que entra o outro lado da folha. A dívida acumulada de 3,7 mil milhões é o resultado de prejuízos que remontam ao início do caminho-de-ferro no séc. XIX. E condiciona a gestão enquanto não for assumida pelo Estado. No curto prazo, a CP tem empréstimos a pagar de 1,5 mil milhões de euros, devendo, como tem sido habitual recentemente, recorrer ao Tesouro porque a capacidade de endividamento esgotou-se.

Notícia actualizada: acrescenta mais informações sobre a nomeação da equipa de gestão e sobre a CP