A misteriosa guerra dos portugueses na Índia que só existiu na Wikipedia

Página sobre o conflito de Bicholim foi inventada por um utilizador da enciclopédia em 2007. Só agora se descobriu ser mentira.

Historiadores desvalorizam episódio
Foto
Historiadores desvalorizam episódio Miguel Madeira

Durante cinco anos, e até ao mês passado, leu-se na Wikipedia que entre 1640 e 1641 Portugal entrou em conflito com o império Marata, um império hindu localizado no planalto do Decão, na zona central da Índia, perto de Goa. Na página lia-se que “Portugal colonial entrou em confronto em Goa [...] numa guerra que ficou chamada conflito de Bicholim” como se tal tivesse acontecido. É que tudo não passou de uma invenção de um utilizador da Wikipedia e a página já nem existe.

“Conflitos existem centenas, alguns foram reportados e outros terão sido inventados. É preciso é que exista documentação histórica que sustente a informação e para isso a Wikipedia não serve”, diz ao PÚBLICO o historiador Luís Frederico Dias Antunes, cuja área de investigação é a expansão na Índia, afirmando que nunca tinha ouvido falar no conflito. No entanto, não se mostrou surpreendido por episódios como este acontecerem num universo como o da Wikipedia, uma enciclopédia online gratuita onde qualquer pessoa pode adicionar e editar entradas.

“Não se trata de uma área pouco estudada [a expansão portuguesa na Índia], o que acontece é que a comunidade científica não está na Wikipedia”, acrescenta.

O artigo em questão foi publicado em 2007 e só em Dezembro um outro utilizador denunciou a informação quando percebeu que as fontes e a documentação citada não existiam. “Após um exame atento e alguma investigação, cheguei à conclusão de que aquele artigo era uma fraude, uma fraude inteligentemente elaborada”, explicou à AFP ShelfSkewed, o utilizador que descobriu a mentira.

Contava a página do artigo que “a maior parte dos combates” teria acontecido na Região Norte de Goa e que o conflito teria terminado com um tratado de paz. “O conflito foi breve e o seu impacto em termos de vítimas e estragos foi pequeno”, escreveu então o seu autor.

Ao pesquisar as referências que apareciam na página, ShelfSkewed não encontrou qualquer informação e apresentou o caso aos administradores da Wikipedia, que, depois de analisarem a informação, decidiram apagar a página. Sobre quem a criou, ainda nada se sabe.

“A presença dos portugueses nesta época e nesta região é clara, existiu e existem registos disso, o que não existe, pelo menos que eu saiba, é registo deste conflito”, atesta Dias Antunes. Goa deixou de ser portuguesa em Dezembro de 1961, depois de 450 anos de colonização.

Também para Francisco Contente Domingues, professor do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o conflito de Bicholim é desconhecido. E alerta: “É preciso muita cautela com a Wikipedia: tem imensa informação difícil de verificar”. “Os artigos têm muitas vezes argumentos que ninguém conhece, geralmente pouco rigorosos”, acrescenta Contente Domingues, explicando que raramente recorre a esta enciclopédia e quando o faz é nas áreas que domina.

O historiador Vítor Gaspar Rodrigues também dá pouco crédito à Wikipedia, desvalorizando este episódio. “É muito fácil escrever qualquer coisa na Wikipedia, não há muito controlo e por isso não é fidedigna, não pode ser considerada sequer uma fonte.”

Esta não é a primeira vez que falsos artigos são publicados e só mais tarde descobertos. Foi na Wikipedia que surgiu uma página sobre Bunaka, uma ilha indonésia inventada, ou sobre Gaius Flavius Antoninus, o suposto assassino de Júlio César.

Criada em 2001, a Wikipedia existe em mais de 270 línguas e tem um número superior a 29 milhões de entradas.

Notícia corrigida no dia 9/01 às 08h38: Corrigido o nome de Francisco Contente Domingues