Fotogaleria
“O sentido da vida” será um documentário “sobre o desejo de viver e sobre o que é que nos faz estar aqui”
Fotogaleria
Miguel Gonçalves Mendes quer retratar o quotidiano de Dilma Rousseff Ueslei Marcelino/ Reuters

Realizador Miguel Gonçalves Mendes convida Dilma Rousseff para documentário

Participações do escritor Valter Hugo Mãe e do filófoso Alain Botton já estão garantidas. Realizador português espera agora a resposta da presidente do Brasil

O realizador português Miguel Gonçalves Mendes convidou a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para o documentário “O sentido da vida”, no qual estão confirmadas as participações do escritor Valter Hugo Mãe e do filófoso Alain Botton.

Miguel Gonçalves Mendes quer retratar o quotidiano de Dilma Rousseff, mostrando no documentário a sua faceta mais privada, um pouco à semelhança do que fez no documentário “José & Pilar”, explicou.

“O sentido da vida” será um documentário “sobre o desejo de viver e sobre o que é que nos faz estar aqui” e será protagonizado por várias personalidades de vários pontos do planeta. O documentário terá um fio condutor - a personagem Miguel, uma espécie de alter ego do próprio realizador - que unirá várias histórias reais.

O escritor português Valter Hugo Mãe e o filósofo suíço Alain Botton já aceitaram participar no filme e Miguel Gonçalves Mendes aguarda agora resposta por parte da presidente do Brasil.

O cineasta escolheu Dilma Rousseff por considerar que há diferenças na forma como homens e mulheres exercem e encaram o poder. “Em geral os homens querem o poder pelo "status" do poder. E as mulheres, na maioria dos casos, exercem efectivamente o poder”, explicou.

“O sentido da vida” será rodado em Portugal, no Brasil, na Islândia, em Inglaterra e no Japão e deverá incluir ainda personalidades ligadas à música, ao cinema e à astronomia. O documentário contará com co-produção da O2 Filmes, produtora do realizador brasileiro Fernando Meirelles, considerada a maior do Brasil.

Miguel Gonçalves Mendes tem estado no Brasil a trabalhar com Fernando Meirelles e na edição desta segunda-feira, o jornal brasileiro Folha de São Paulo dá conta daquele projecto de documentário. Em declarações ao diário, Fernando Meirelles afirma que Miguel Gonçalves Mendes “tem uma sensibilidade rara de pegar o que importa. Parece que abre a cabeça de quem entrevista”. “Miguel tem sempre um pensamento meio filosófico, de tentar entender a vida”, descreveu Fernando Meirelles.

Miguel Gonçalves Mendes está ainda à procura de financiamento para o filme, com co-produções e através de uma plataforma, depois de lhe ter sido recusado um apoio financeiro do Instituto do Cinema e Audiovisual.