Europa é o maior risco para a economia mundial, diz o Nobel Joseph Stiglitz

Para o Nobel norte-americano, as novas políticas do BCE são insuficientes e Espanha e Grécia são principais problemas da Europa.

Stiglitz, em 2009, nas Conferências do Casino, em Portugal
Foto
Stiglitz diz que não vê saída para o fim da actual situação económica em Espanha e na Grécia Foto: Nuno Ferreira Santos

O Nobel da Economia norte-americano, Joseph Stiglitz, afirma que o maior perigo para a economia mundial em 2013 será a Europa e que a Espanha e a Grécia são os principais pontos de preocupação.

Num artigo de opinião publicado nesta quarta-feira no jornal alemão Handelsblatt e citado pela AFP, Stiglitz afirma que “o risco real para a economia mundial está na Europa” e que tanto a Espanha como a Grécia se encontram numa depressão económica da qual “não vemos sinais de saída”.

Joseph Stiglitz afirmou ainda que a moderada acalmia que se seguiu ao anúncio do Banco Central Europeu (BCE) do mecanismo de compra ilimitada de dívida é apenas “um paliativo temporário”. Stiglitz criticou o funcionamento deste programa, que se encontra reservado apenas aos países que estejam sob um programa de resgate financeiro internacional.

“Se o BCE assume que a continuação das políticas de austeridade é condição para o financiamento, só vai estar a piorar a condição do paciente”, afirma Joseph Stiglitz no jornal alemão.

No contexto europeu, o Nobel norte-americano reforça que os líderes europeus ainda não conseguiram estabelecer um verdadeiro Pacto para a Estabilidade e Crescimento (PEC) para os países periféricos da zona euro.