Morreu Marques Júnior, militar de Abril e ex-deputado do PS

O coronel que pertenceu ao Conselho da Revolução morreu na sequência de um derrame cerebral.

Marques Júnior duvida mesmo que "no pensamento do Governo esteja também a transferência de informação classificada pelos serviços secretos
Foto
Marques Júnior foi primeiro deputado pelo PRD e depois pelo PS João Henriques/arquivo

Marques Júnior, de 66 anos, sofreu um derrame cerebral no dia 26 de Dezembro, quando foi internado no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

António Alves Marques Júnior, nascido a 3 de Julho de 1946, foi um dos militares responsáveis pelo Golpe de Estado de 25 de Abril de 1974 que abriu porta ao processo revolucionário e à posterior democratização da sociedade portuguesa. Foi, nessa qualidade, membro do Conselho da Revolução, desde a sua fundação, após o 11 de Março de 1975 até à sua extinção com a revisão constitucional de 1982.

Em 1985 é eleito deputado à Assembleia da República pelo PRD. Extinto o PRD passa a ser eleito pelo PS, partido pelo qual foi deputado até à última legislatura, ou seja, até 2011. Como deputado foi vice-presidente da Assembleia e membro de inúmeras comissões parlamentares, da Comissão Permanente e do Conselho de Administração. Era membro da Comissão Política e Nacional do PS.

Era, desde 2008, presidente do Conselho de Fiscalização do Sistema de Informação da República Portuguesa. Integrava também o Conselho Superior de Defesa Nacional e era vogal das Ordens Nacionais Honorificas Portuguesas.

Numa nota de pesar, Vasco Lourenço informa que o corpo de Marques Júnior estará nesta terça-feira na Basílica da Estrela, em Lisboa, onde se celebrará a missa de corpo presente no dia seguinte (2 de Janeiro) de manhã. O funeral seguirá depois para São Martinho de Bornes, Pedras Salgadas, rumo ao jazigo da família.

O presidente da Associação 25 de Abril diz, na mesma nota, que Marques Júnior foi "sempre coerente com a defesa dos valores da Liberdade, da Democracia, da Justiça Social e da Paz, valores de Abril", e que o coronel "foi um dos expoentes máximos do MFA [Movimento das Forças Armadas], que dignificou com a sua acção".