Crónica de jogo

Sporting abandona Vila do Conde com mais um prego no caixão

Tope, Tarantini e Hassan marcaram os golos da vitória do Rio Ave frente aos “leões”. A expulsão de Eric Dier no final da primeira parte não justifica mais uma exibição paupérrima da equipa de Vercauteren.

Vida complicada para o Sporting
Foto
Vida complicada para o Sporting Fernando Veludo/nFactos

O ano de 2012 não terminou e faltam quase cinco meses para acabar a época, mas para este Sporting já não há esperança. Em mais uma prestação deprimente, os “leões” foram humilhados pelo Rio Ave (3-0) e apenas um milagre permitirá aos “verdes e brancos” conseguir o apuramento para as meias-finais da Taça da Liga, a única prova que o Sporting ainda tinha hipóteses reais de vencer. O poço parece não ter fundo em Alvalade.

Na antevisão do jogo, Vercauteren confidenciou que encontrou no regresso das miniférias um plantel “faminto”. O treinador elogiou os jogadores, que foram “agressivos no treino”. “Joga-se como se treina”. Apesar do optimismo do belga, o que se viu em Vila do Conde foi mais do mesmo: jogadores do Sporting amedrontados, passivos e sem atitude. Os condimentos ideias para motivar um rival.

Com Elias, Izmailov e Boulahrouz fora da convocatória — o trio parece ter os dias contados em Alvalade —, Vercauteren chamou cinco jogadores da equipa “B”, mas apenas Esgaio entrou no “onze”. O médio jogou no apoio a Wolfswinkel, completando um trio de meio-campo com Rinaudo e Adrien. A aposta falhou.

Com apenas uma vitória nos últimos seis jogos, o Rio Ave não tinha João Tomás (de malas feitas para Angola) e Bebé (apenas pode jogar a partir de Janeiro), mas as ausências não inibiram a equipa vila-condense, que esteve perto do golo aos 5’ (Patrício evitou o golo de Dell Valle).

Só a partir dos 15’, já depois de Cédric sair por lesão (entrou Dier), é que os “leões” conseguiram equilibrar, mas no final dos primeiros 25’ a estatística era reveladora: oito remates do Rio Ave, dois do Sporting.

Aos 33’, no melhor momento “leonino”, Jeffren rematou ao poste, mas em cima do intervalo Dier teve uma entrada imprudente, o árbitro Rui Costa foi rigoroso, e o inglês acabou expulso. O pouco Sporting que havia na partida acabou aí.

Para equilibrar a equipa, Vercauteren colocou Esgaio a defesa direito e o Rio Ave agradeceu. Aos 54’, Tope rematou, Patrício defendeu, mas o inglês marcou na recarga. Dez minutos depois, Edimar deixou Esgaio para trás, centrou, e Tarantini, à vontade, fez o 2-0. O “leão” estava morto.

Restavam 25 minutos, uma eternidade para o Sporting. Sem resistência do outro lado, o Rio Ave controlava como queria e, já no período de descontos, Hassan tornou ainda mais penosa a derrota do Sporting.

Ficha de Jogo

Rio Ave, 3

Sporting, 0

Jogo no Estádio dos Arcos, em Vila do Conde. 

Assistência Cerca de 2000 espectadores

Rio Ave Oblak, Nivaldo, Edimar, Lionn, Marcelo, Tarantini, Vítor Gomes (Diego, 84’) Wires, Ukra, Del Valle (Hassan, 77’), Tope (Braga, 70’).

Treinador Nuno Espírito Santo.

Sporting Rui Patrício, Cédric (Dier 13’), Xandão, Rojo, Insúa, Rinaudo, Adrien (Labyad 79’), Esgaio, Carrillo, Jeffrén (Capel 69’), Wolfswinkel.

Treinador Franky Vercauteren.

Árbitro Rui Costa (Porto). Amarelos  Lionn (58'), Marcelo (83'), Diego (90'). Vermelho Eric Dier (44')

Golos 1-0 por Tope (54’), 2-0 por Tarantini (64’), 3-0 por Hassan (90’+1’)