Futebol no Butão é com o patrocínio da Coca-Cola

Há uma Liga profissional a iniciar-se num dos países mais mal classificados no ranking da FIFA. Neste reino dos Himalaias, o desenvolvimento mede-se, não pelo Produto Interno Bruto, mas pela Felicidade Interna Bruta.

Na "Outra Final" de 2002, houve meia taça para cada equipa
Foto
Na "Outra Final" de 2002, houve meia taça para cada equipa DR

A 30 de Junho de 2002, Brasil e Alemanha defrontaram-se no Estádio Internacional de Yokohama para disputar entre si o título de campeão mundial de futebol. Nessa final, dois golos de Ronaldo deram o pentacampeonato à selecção brasileira, desde sempre na elite do futebol mundial. No mesmo dia, em Thimphu, capital do Butão, pequeno país localizado nos Himalaias, defrontavam-se as duas piores selecções do ranking FIFA. Por iniciativa de uma empresa da Holanda (selecção que não se qualificara para o Mundial 2002), Butão e Montserrat jogaram no campo quase pelado do Estádio de Changlimithang, a 2316 metros de altitude.

O jogo ficou imortalizado no documentário A Outra Final e foi a selecção da casa que escapou ao estatuto de pior equipa do mundo, vencendo por 4-0 — mas a taça foi dividida e cada equipa recebeu metade do troféu. Wangyel Dorji teve os seus 15’ de fama ao marcar três dos quatro golos para aquela que seria a primeira vitória da selecção do Butão (que só conseguiu duas, mais quatro empates, em 44 jogos oficiais, segundo as contas da FIFA). Com esse triunfo, a selecção do Butão deu um salto de quatro lugares na hierarquia do futebol mundial, mas, dez anos depois, continua no fundo da tabela.

É uma das três selecções que ocupam o último lugar deste ranking (que engloba 209 equipas) sem quaisquer pontos, a par da europeia São Marino e da caraíba ilhas Turcs e Caicos — curiosamente, a equipa feminina está bem melhor, ocupando o 128.º lugar, com 48 selecções atrás de si. O melhor que a selecção masculina do Butão conseguiu no ranking FIFA foi um 187.º em 2008.

O tiro com arco é a modalidade nacional e, até Londres 2012, foi o único desporto em que o país teve atletas nos Jogos Olímpicos — na capital britânica teve uma atleta no tiro de precisão. O futebol não é a prioridade desportiva do Butão e apenas surgiu no país durante os anos 50 do século passado como modalidade escolar. Foi a partir daqui que se começaram a formar campeonatos amadores e uma federação de futebol no país só surgiu em 1983, filiando-se na FIFA apenas em 2000.

Este mês de Dezembro marcou o início da primeira Liga nacional do Butão (antes só existiam torneios regionais), com o patrocínio de uma multinacional, a Coca-Cola (que, para já, vai apoiar a Liga durante três anos), e que conta com a participação de seis equipas. “Em Dezembro, preparem-se para a explosão” é o que diz o vídeo da promoção do torneio, que já teve o seu pontapé de saída. O Drukpol FC venceu o Ugyen Academy por 2-1, num jogo que marcou a inauguração do relvado artificial do Estádio de Changlimitang, que custou cerca de 900 mil dólares, pagos na íntegra pela FIFA.

É assim que está o futebol no reino do Butão, onde o desenvolvimento se mede, não pelo Produto Interno Bruto, mas pela Felicidade Interna Bruta.

* Planisférico é uma rubrica semanal sobre histórias e campeonatos de futebol periféricos