Academia Brasileira de Letras propõe mudanças no Acordo Ortográfico

As alterações propostas pela ABL, divulgadas pela Agência Brasil, incluem mudanças na regra do hífen.

Foto

A Academia Brasileira de Letras (ABL) já tem propostas de mudanças no Novo Acordo Ortográfico, mesmo antes de ele estar completamente implantado nos países de língua portuguesa, informou hoje a Agência Brasil.

O académico Evanildo Bechara afirmou que as alterações são, no entanto, “pequenas” face à abrangência do acordo.

As alterações propostas pela ABL, divulgadas pela Agência Brasil, incluem mudanças na regra do hífen, como a sua manutenção em palavras compostas, cujo primeiro termo termine em vogal e o segundo comece em ‘erre’ ou ‘esse’ nos casos em que o segundo termo seja nome próprio (anti-Saddam, por exemplo). Esta regra é a que vigorava em Portugal anteriormente ao Acordo Ortográfico de 1990.

Outra proposta da academia é incluir no acordo a regra dos porquês, para uniformizá-la. No Brasil, escreve-se “porque” quando o termo é uma conjunção de causa ou explicação, e “por que”, separado, nas perguntas. Em Portugal, o termo pode ser grafado junto nas perguntas.

“Isso viria muito a facilitar a vida de todo mundo. Vamos discutir esse caso, para ver, porque o acordo não é apenas a unificação [da ortografia], mas também a simplificação”, afirmou Bechara, que realçou que a mudança ainda está a ser discutida.

O académico defendeu também a eliminação das excepções às regras. Segundo ele, essas mudanças só devem ser discutidas entre os países quando o Novo Acordo estiver completamente em vigor.