Dez bons livros para crianças e jovens publicados em 2012

Escolhemos dez livros ilustrados, publicados em 2012 e assinados por autores portugueses. Foram escritos e desenhados para crianças e jovens, mas não são interditos aos leitores que nasceram há mais tempo. Pelo contrário.

Ilustração de Bernardo Carvalho
Foto
Ilustração de Bernardo Carvalho

Privilegiámos as obras em que texto e imagem se conjugam numa harmonia feliz, quisemos divulgar novos autores e também pequenas editoras. Mas a qualidade foi o critério maior.

Entre poesia, fantástico, aventura, actividades e problemas existenciais na adolescência, aqui fica uma amostra do que se criou em Portugal durante o ano que agora termina. Alguns dos livros que se seguem foram sendo divulgados na página Crianças, nas edições de sábado, e no blogue Letra Pequena. Outros não. Ordenámos a selecção por ordem alfabética do título.

A melhor escolha, no entanto, é aquela que cada criança faz quando se passeia pelas livrarias. Com essa prática, há-de encontrar o livro certo.

A Casa do João

Texto: João Manuel Ribeiro


Ilustração: João Vaz de Carvalho


Edição: Trinta Por Uma Linha


32 págs., 12,50€


Inspirado na lengalenga A casa do João, dois “Joões” criaram um belo livro. Nesta casa, mora uma família com as idiossincrasias próprias de todas elas. Mas também ali habita a bruxa Mafalda, o Migalha (que é um cão), um rato e um gato, a Mariana e até um poeta. Para conhecer todos os seus habitantes, reais e imaginários, terá de se deter a observar as inconfundíveis imagens de João (Vaz de Carvalho) e as palavras sempre renovadas de João (Manuel Ribeiro). Ora “escutem” O que está, está:

“Que está na casa? / – Um grão na asa.Que está no telhado? / – Um gato escaldado.
Que está na chaminé?/ – Uma crista de garnisé.
Que está no quarto? / – Um colorido lagarto.
Que está na cozinha? / – A galinha da vizinha.
Que está no palheiro? / – Uma agulha de costureiro.
Que está no quintal? / – Um mudo em arraial.
Que está no portão? / – Um menino pedinchão.
Que está na nesga? / – O Rossio na betesga.
Que está na viela? / – Um fidalgo de meia tigela.
Que está no meio da rua? / – Um poeta a ladrar à lua.”

 AchimpaTexto e ilustração: Catarina Sobral
Edição: Orfeu Negro
40 págs., 14,90€

Depois de se estrear (e bem) com o livro Greve, Catarina Sobral criou Achimpa. Se o leitor não conhece a palavra, não se preocupe. Ou melhor, preocupe-se e tente descodificá-la. Segundo a narrativa da autora, o registo de “achimpa” foi encontrado “num velho e caquético dicionário”. Todos passaram a querer usar a nova palavra, mas não sabiam como.“Então, alguém se lembrou de perguntar à D.ª Zulmira (que tinha 137 anos) se ela conhecia aquela palavra esquisita.”E logo a senhora corrigiu quem perguntava. “Não é ‘achimpa’, mas ‘achimpar’, um verbo da primeira conjugação”, explicou prontamente. “Ao que parece, achimpava-se, sempre se tinha achimpado e achimpar-se-ia enquanto houvesse gente no mundo.” Uma ideia inteligente e divertida (sobretudo para quem gosta de palavras e de as estudar), envolta em ilustrações no mesmo tom.

Atenção! Sou Um Adolescente

Texto: Luísa Ducla Soares


Ilustração: Filipe Alves


Edição: Civilização Editora


96 págs., 7,70€


O Gonçalo tem 13 anos e (diz a mãe) “não é carne nem peixe”. Para o motorista do autocarro em que vai para a escola, o melhor era a “miudagem” da idade dele “ser metida num armário fechado à chave e só sair de lá aos dezoito”. O mau feitio do motorista tem uma explicação: os jovens fogem de pagar bilhete porque gastaram o dinheiro do passe a carregar o telemóvel. A antipatia da mãe justifica-se por o marido se ter apaixonado por uma brasileira. O adolescente descreve-a desta forma, depois de um samba: “Comecei a pensar na minha mãe, sempre a trabalhar, pálida, cada vez mais magra, com o seu rabo de cavalo triste e não pude deixar de fazer comparações. O cabelo da brasileira cai-lhe pelas costas como uma cascata, leve, solto, cor de asa de corvo. Os olhos dela brilham e a pele, reluzente com cremes, cheira a baunilha. Mas quis afastar o pensamento…” Luísa Ducla Soares é assim, põe-se no lugar das personagens em crescimento e não tem preocupações em chocar mentalidades conservadoras. De parabéns está igualmente Filipe Alves, que criou ilustrações sóbrias para os momentos mais importantes da narrativa.

Mar

Texto: Ricardo Henriques
Ilustração: André Letria
Edição: Pato Lógico
56 págs., 14,90€

A obra lança uma interrogação logo à partida: “Se o nosso planeta tem mais mar que terra, então porque é que não se chama planeta Mar?” Segue-se um alfabeto temático, com água por todos os lados. Começa precisamente com a definição de “água” e acaba com a de “zooplâncton”. Em rigor, este livro é um “actividário” (actividades + abecedário), dizem os autores, que apresentam assim a co-autoria de Mar: textos de Ricardo Henriques, “com bitaites de André Letria”; ilustrações de André Letria, “com alvitres de Ricardo Henriques”. O tom das explicações de cada entrada é divertido, mas rigoroso. Ou seja, sério sem ser fúnebre. As propostas de actividades são variadas e criativas, podendo ir da observação de estrelas (“deita-te de papo para o ar numa noite estrelada e tenta descobrir Órion e outras constelações”) à construção de uma alforreca com uma bola velha de borracha (“faz uma alforreca utilizando materiais reutilizáveis”). Na contracapa, escreve-se: “As missões impossíveis são as únicas bem-sucedidas.” Palavras do marinheiro mais famoso de sempre: Jacques Cousteau.

No Labirinto do Minotauro/O Túmulo Perdido

Texto: Bárbara Wong e Ana SoaresIlustração: Patrícia Furtado.
Editora: Alfaguara/Objectiva
168 págs., 11,90€

Uma colecção (já vai no terceiro volume) assinada pelas co-autoras do blogue Educar em Português, Ana Soares e Bárbara Wong, sobre os clássicos da mitologia grega. “Os miúdos vibram com vampiros, lobisomens, feiticeiros mas, na génese de tudo isso, estão os gregos, e eram esses que queríamos dar a conhecer”, disseram ao PÚBLICO pouco depois do lançamento dos dois primeiros volumes, em Julho. Os episódios vividos por cinco personagens que se aventuram pela Grécia e a quem os deuses irão confiar uma grande responsabilidade vão para além dos livros, tendo continuação/interacção no site Olimpvs.net. A série destina-se a leitores pré-adolescentes e adolescentes e houve a preocupação de criar materiais para os professores poderem explorar o universo dos diferentes títulos. Para Fernando Pinto do Amaral, comissário do Plano Nacional de Leitura, é louvável o facto de se “transmitir aos jovens a importância da mitologia grega, cultura de que somos herdeiros, e de diluir as fronteiras entre o objecto livro e os novos suportes”.

O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca

Texto: Ana PessoaIlustração: Bernardo Carvalho
Edição: Planeta Tangerina
150 págs., 14€

Livro distinguido com o Prémio Branquinho da Fonseca 2011. “O Caderno Vermelho é, antes de mais, um caderno de apontamentos. Não é um diário com um discurso intimista e angustiado. É um caderno, no qual a N, lutadora, explora a sua criatividade e se liberta. Escreve sobre o irmão, sobre o karaté, sobre as amigas, mas também sobre o método científico, sobre o próprio caderno e inventa histórias que não têm nada que ver com o seu dia-a-dia. É uma personagem forte e autoconfiante, não anda mal com o mundo. Mas questiona-se sobre ele”, disse a autora, Ana Pessoa, ao PÚBLICO, em Agosto, para um trabalho em que sugerimos leituras de Verão. A obra iniciou a publicação “para mais crescidos” do Planeta Tangerina, na colecção Dois Passos e Um Salto, com ilustrações de Bernardo Carvalho. “Nunca pensei publicar um livro tão bonito, de capa dura, com ilustrações tão fantásticas.” Tudo verdade. “Quando terminei, não tinha a certeza se tinha escrito um livro juvenil. Eu queria que O Caderno Vermelho fizesse sentido para os outros, mas este não foi o ponto de partida. Interessa-me sobretudo escrever mais e melhor, não para um grupo-alvo específico.” Mas os jovens gostaram.

O Grande Chefe

Texto: Carlos Nogueira
Ilustração: David Pintor
Edição: Tcharan
13 págs; 12,90€

Conhecido por todos como O Grande Chefe, o líder de uma aldeia fazia crer que “era o homem mais corajoso à face da Terra”. Dizia-se que “vencia demónios, bruxas e duendes maus, ogres do tamanho de árvores. Também se contava que ele obrigara a Morte a fazer uma promessa. A Morte, que a todos aterroriza e a quem ninguém escapa, prometera que nunca iria à aldeia procurar O Grande Chefe. O próprio Diabo, que vivia do outro lado da montanha, fugia dele”. Uma narrativa poética, com ironia sub-reptícia. Os leitores que nasceram há mais tempo não terão dificuldade em reconhecer as características despóticas de quem domina. Mas os líderes, tal como o desta história, também tombam. Aqui, com a ajuda de uma criança. Aplauso para a atmosfera quente criada pelas ilustrações de David Pintor.

Os Ciganos

Texto: Sophia de Mello Breyner Andresen e Pedro Sousa Tavares
Ilustração: Danuta Wojciechowska
Editora: Porto Editora
64 págs., 18,80€

A parte inicial deste conto tem a assinatura de Sophia de Mello Breyner, foi descoberta por entre o seu espólio literário em 2009 e acredita-se, pela observação da caligrafia da autora, que date de meados dos anos 1960. Informações que a sua filha Maria partilha com os leitores numa nota prévia ao conto inédito Os Ciganos. Pedro, o neto de Sophia e sobrinho de Maria, teve “a ousadia” (palavras do próprio) de o completar. Fez bem (e fê-lo bem).A história começa assim:“Era uma vez uma casa muito arrumada onde morava um rapaz muito desarrumado. E o rapaz tinha a impressão de que não era feito para morar naquela casa.” Um dia, “com o coração batendo, saltou o muro”. Descobriu os ciganos. Ainda que uma voz interior lhe repetisse “foge destes homens”, Ruy seguiu com eles. E é aqui que Sophia se cala.
Entra o neto, Pedro Sousa Tavares: “Nesse instante, as pernas saltaram-lhe para a frente, como se o seu corpo fosse agora uma marioneta, obedecendo a alguma força superior. Tropeçou em cada buraco do caminho. Fez estalar cada galho seco no chão. Por milagre, ninguém se apercebeu da algazarra (…).” A descrição continua até que o rapaz se esconda na carroça e siga viagem. O protagonista há-de voltar a casa mais sábio e habilidoso, assim decidiu o co-autor. As palavras de uma e outro (avó e neto) são grafadas a cores diferentes, azul para Sophia, preto para Pedro. E este espera que o livro seja “lido como um todo”. Objectivo alcançado. Uma nota para a ilustradora Danuta Wojciechowska, que ampliou e iluminou o sentido da narrativa. Com talento.

Pequeno Livro das Coisas

Texto: João Pedro Mésseder
Ilustração: Rachel Caiano
Edição: Caminho
56 págs., 10,90€

Se há livros delicados, este é um deles. A poesia suave de João Pedro Mésseder, aliada à expressão subtil de Rachel Caiano, faz da leitura de Pequeno Livro das Coisas um momento de desaceleração e paz. E não se pense que os leitores mais novos não aderem a essa mudança de ritmo. O poema a Sombra quieta é um bom espelho do convite a uma pausa: “Era uma vez uma sombra/ que não parava de estar quieta. / Quanto mais quieta estava/ mais o pobre corpo/ se mexia e saltava, esbracejava, corria./ Tomado pelo medo, / o corpo acabou por fugir/ daquele sinistro lugar. / Nunca mais ninguém o viu. / E a sombra?/ Ainda lá está. / Ali, naquele lugar.” Um livro para ler devagar.

Lucas Scarpone — Seis Fantasmas e Meio (1.ª parte)

Texto: Álvaro Magalhães
Ilustração Carlos J. Campos
Edição Asa
112 págs., 8,50€

Tudo se passa no país imaginário Gatália, “em forma de bota” e “rodeado pelo mar”. Qualquer semelhança com Itália (não) é pura coincidência. Aí, vive o protagonista desta série. De seu nome Lucas Scarpone, um gato. Escreve, pesca e dorme a sesta. É mesmo o presidente do GAS – Gatos Amigos da Sesta. E tem um dom, se assim se lhe pode chamar: o de conseguir ver fantasmas. Eis o motivo por que acabará por se transformar num agente do CAT – Centro de Actividades Transcendentais. A descoberta de que os seus verdadeiros pais não são quem ele pensava e o acender de uma paixão vão alterar-lhe o destino. Já não pode viver sem Pandora, jornalista da Sexto Sentido, publicação que investiga casos paranormais. “Eles comem dois peixes apaixonados e também se ‘apeixonam’…” A primeira aventura está dividida em duas partes (dois volumes) e trata do seu primeiro caso. Álvaro Magalhães continua a imprimir ironia em todos os trabalhos que faz. Independentemente da idade do público a que se dirige, encontramos humor, crítica e elegância narrativa. Nesta série faz-se acompanhar (e bem) por Carlos J. Campos. Uma dupla que já assina em conjunto a colecção de inegável êxito Crónicas do Vampiro Valentim, com vendas na ordem dos cem mil exemplares e traduzida em espanhol e coreano. Prevê-se novo sucesso.