Eduardo Barroso: "Era fundamental ter alguém na SAD que percebesse de futebol"

"Espero que a contratação de Jesualdo Ferreira não afecte o treinador actual", diz o presidente da Mesa da Assembleia-Geral do Sporting

"Espero que Jesualdo Ferreira seja muito feliz no Sporting", diz Eduardo Barroso
Foto
"Espero que Jesualdo Ferreira seja muito feliz no Sporting", diz Eduardo Barroso Pedro Cunha

O presidente da Mesa da Assembleia-Geral (AG) do Sporting, Eduardo Barroso, espera que a contratação de Jesualdo Ferreira para “manager” do futebol “leonino” não venha a afectar o treinador belga Franky Vercauteren.

“A minha opinião sobre Vercauteren é a análise que faço aos resultados da equipa. Agora, só espero que a contratação de Jesualdo Ferreira não afecte o treinador actual, que tenham sido muito bem explicadas as funções de cada um deles”, disse Eduardo Barroso à Agência Lusa, quando questionado se deixou de acreditar que Vercauteren tem capacidade para dar a volta à situação da equipa de futebol e reconduzi-la no caminho das vitórias.

Eduardo Barroso não quis pronunciar-se sobre a contratação de Jesualdo Ferreira para “manager”: “Não me pronuncio sobre ela. Limito-me a constatar que faltava alguém na SAD do Sporting que percebesse, verdadeiramente, de futebol e que pudesse aconselhar Godinho Lopes a tomar as decisões correctas”.

Confrontado com uma afirmação sua, segundo a qual a contratação de Jesualdo Ferreira era “mais uma solução de recurso”, Eduardo Barroso negou que fosse de sua autoria: “O que disse é que era fundamental ter alguém na SAD que percebesse de futebol. E recuso discutir o nome de Jesualdo, que não está em questão e de quem sou amigo, e espero que seja muito feliz no Sporting”.

No entanto, não desmentiu que tivesse dito, em declarações ao programa Prolongamento da TVI 24, que “se são os Bancos que dizem ‘ou é este ou não há dinheiro´, então voto em Godinho Lopes por amor ao Sporting. Mas têm de assumir”.

“Disse que era conveniente saber o que pensam os Bancos, que já tiveram a gentileza de nos receber para explicar a sua posição. Não lhe vou é revelar o resultado dessa reunião”, disse Eduardo Barroso, que não quis especificar em que dia a mesma ocorreu.

Perante a insistência, limitou-se a dizer que os membros da Mesa da AG “foram recebidos e informados” pelos Bancos, reunião com a qual “Godinho Lopes concordou”, e que o objectivo daquela “não foi pedir nenhuma informação especial”, mas sim a de “ouvir a opinião dos Bancos, que são credores do Sporting”.

Questionado se ficou preocupado com as informações que lhe foram transmitidas pelos Bancos acerca da situação do Sporting, Eduardo Barroso “jogou à defesa”: “Fiquei informado. Os meus sentimentos pessoais não contam”.

De resto, o dirigente não tem recolhido apenas a opinião do Bancos, mas também a de “muitos sócios do clube, quer a nível individual quer a nível mais organizado”, para avaliar “qual o ‘timing’ para os ouvir” em Assembleia-Geral.

Promete que vai “continuar a ouvir os sócios” que assim o solicitem e, quando questionado sobre se já tem uma noção de quando deverá convocar uma Assembleia-Geral para auscultar a massa associativa, repete que “é inevitável e inexorável dar a palavra aos sócios”.

Por outro lado, Barroso não “enfia a carapuça” sobre as críticas que lhe apontam de desestabilizar o clube, tendo ele especiais responsabilidades pelas funções que desempenha.

“Nunca ouvi nenhuma acusação dessas por parte de Godinho Lopes. Ele sabe que tem contado com a solidariedade da Mesa da AG. Agora, o que não abdicamos é dos direitos e das responsabilidades que temos por ter sido eleitos”, referiu Eduardo Barroso, alegando “a legitimidade” do órgão a que preside, eleito “democraticamente pelos sócios” do Sporting.

À questão se alguma vez lhe passou pela cabeça apresentar a demissão do cargo, Eduardo Barroso limitou-se a repetir que os “sentimentos pessoais não contam”.

A quem se recusou a responder foi ao ex-vice presidente da direcção, Paulo Pereira Cristóvão, que o acusou de ser a pessoa que mais desestabiliza o clube e que sugeriu a convocação de uma Assembleia-Geral para saber se Eduardo Barroso tem condições para continuar a ser presidente da Mesa da AG.

“Não faço comentários sobre afirmações desse senhor. Não me merecem qualquer comentário, é como se não existissem”, limitou-se a dizer Eduardo Barroso.

Quanto à iniciativa do movimento “Dar rumo ao Sporting”, que já recolheu duas mil assinaturas para convocar uma Assembleia-Geral para a destituição de Godinho Lopes e seus pares, Eduardo Barroso recusou dizer se apoia ou não: “Os sócios têm uma palavra a dizer e eu sou o seu representante. Acho que é importante e inevitável dar-lhes a palavra”.