Paulo Pereira Cristóvão acusado de sete crimes

Ex-vice-presidente do Sporting garante que ainda não foi notificado.

Paulo Pereira Cristóvão demitiu-se do cargo que ocupava no Sporting em Junho de 2012
Foto
Paulo Pereira Cristóvão demitiu-se do cargo que ocupava no Sporting em Junho de 2012 Nuno Ferreira Santos

Paulo Pereira Cristóvão, ex-vice-presidente do Sporting, foi acusado de sete crimes, nomeadamente desvio de dinheiros do clube. O empresário é ainda acusado de ter montado uma armadilha ao ex-árbitro José Cardinal, que acabou por desencadear todo este processo.

O ex-dirigente leonino é acusado pelo Ministério Público de um crime de burla qualificada, um crime de branqueamento de capitais (ambos em co-autoria), um crime de devassa por meio de informática (com o objectivo de reunir informação confidencial sobre árbitros da liga profissional de futebol), dois crimes de peculato, um crime de acesso ilegítimo qualificado e, por fim, um de denúncia caluniosa qualificada.

Foi ainda requerida a aplicação de medida de segurança de proibição do exercício de actividade de dirigente desportivo.

Contactado pelo PÚBLICO, Paulo Pereira Cristóvão garantiu ainda nada saber sobre estas acusações. “Sobre este assunto, só quero dizer que nem eu, nem o meu advogado fomos ainda notificados de nada.”

Paulo Pereira Cristóvão tinha sido constituído arguido no chamado “caso Cardinal”, em que terá sido montada uma armadilha a José Cardinal, o árbitro assistente que estava designado para um jogo da Taça de Portugal entre o Sporting e o Marítimo.

Foram depositados 2000 euros na conta de Cardinal, a partir de uma agência bancária na Madeira, suspeitando-se que esse depósito foi feito por pessoas ligadas a Pereira Cristóvão.