Joana Vasconcelos é a personalidade do ano da imprensa estrangeira em Portugal

Artista plástica é distinguida no ano em que teve uma grande exposição no Palácio de Versalhes, em Paris.

Joana Vasconcelos durante a preparação da exposição em Versalhes
Foto
Joana Vasconcelos em Versalhes Enric Vives-Rubio

A artista plástica Joana Vasconcelos foi eleita a personalidade do ano para a Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP) por ter promovido a imagem de Portugal internacionalmente.

O ano de 2012 foi um bom ano para Joana Vasconcelos, que se tornou não só na primeira artista portuguesa a expor em Versalhes, com 17 obras, como também na mais jovem artista a representar a arte contemporânea no palácio francês.

“A Joana Vasconcelos foi de facto uma personalidade muito falada em 2012 e não foi apenas com a exposição de Versalhes”, disse ao PÚBLICO Marie-Line Darcy, presidente da AIEP e correspondente em Portugal da Rádio France Internationale e do La Tribune, acrescentando que a artista foi escolhida por maioria.

Para escolher a personalidade do ano, todos os correspondentes da AIEP sugerem, numa fase inicial, três nomes, dos quais saem depois os dois mais nomeados, que vão a votação. A par de Joana Vasconcelos, os Buraka Som Sistema foram o outro nome a ir a votos.

Na escolha final, segundo Marie-Line Darcy, a artista plástica foi escolhida com “grande vantagem”. Para a presidente da AIEP, Joana Vasconcelos é “alguém que teve uma grande projecção fora de Portugal e da lusofonia” e que se conseguiu “distinguir pela sua forma diferente de falar e de se exprimir em relação ao seu país”.

Fundada há 32 anos, a Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal distingue anualmente uma pessoa ou instituição portuguesa, escolhidos por cerca de 50 jornalistas estrangeiros em Portugal e que representam meios de comunicação de mais de 20 países.

O prémio será entregue na Primavera de 2013, numa data ainda a anunciar. 

O arquitecto Eduardo Souto de Moura foi a personalidade de 2011, ano em que venceu o Pritzker, o "Nobel da arquitectura". Carlos Paredes, os Capitães de Abril, José Saramago, Mariza, António Guterres, Durão Barroso, Rosa Mota, Álvaro Siza Vieira, Luís Figo, Joaquim de Almeida, Vanessa Fernandes e a Fundação Calouste Gulbenkian, foram alguns dos nomes e instituições distinguidos em anos anteriores.