E. L. James é a autora mais vendida do ano em Portugal, com a sua trilogia erótica

Desde o dia 9 de Julho, data de publicação em Portugal do primeiro volume da trilogia As Cinquenta Sombras , a escritora britânica vendeu mais de um livro por minuto

Fotogaleria
A escritora E. L. James durante a sua visita a Lisboa em Novembro enric vives-rubio
Fotogaleria
E. L. James em Lisboa enric vives-rubio

Até agora, a britânica E. L. James é a autora mais vendida do ano em Portugal com a trilogia As Cinquenta Sombras a atingir os 250 mil exemplares, segundo números divulgados esta terça-feira pela editora Lua de Papel. As contas são feitas sem contar com as vendas de dois fins-de-semana anteriores ao Natal, mas não se espera que os números mudem a sua posição.

O primeiro volume, As Cinquenta Sombras de Grey, já vendeu 120 mil exemplares, num total de 13 edições. As Cinquenta Sombras Mais Negras teve já cinco edições, num total de 70 mil, e As Cinquenta Sombras – Livre vai na quarta edição, num total de 60 mil exemplares vendidos.

“Este é o comportamento tradicional da maior parte das trilogias, o primeiro volume vender mais do que os seguintes. Aconteceu também com as obras do sueco Stieg Larsson. E é também o comportamento desta trilogia em outros mercados”, explica o editor José Prata. “As pessoas são arrastadas pela curiosidade ou porque outros leitores lhes recomendaram os livros. Sabemos que quando começam a leitura optam por comprar o primeiro volume. Desses leitores, alguns compram os volumes seguintes e outros não.”

Desde o dia 9 de Julho, data de publicação em Portugal do primeiro volume desta trilogia erótica, a autora vendeu um livro por minuto. O editor explica como fez as contas: dividiu o número de livros vendidos pelos minutos de cinco meses, entre 9 de Julho e 9 de Dezembro, período de venda do livro em Portugal.

Desde que foi publicado O Segredo (também editado pela Lua de Papel em Portugal), este é o mais relevante fenómeno de vendas no mercado nacional. A vinda da autora britânica a Lisboa também ajudou. “Foi um fenómeno mediático e quem não sabia ainda que estes livros existiam, ficou a saber”, diz o editor.

As Cinquenta Sombras de Grey conta a história da virgem Anastasia Steele, estudante de literatura que seguirá carreira de editora, e do dominador Christian Grey, um CEO milionário norte-americano que abandonou Harvard para construir o seu império. Por um mero acaso ela vai entrevistá-lo para o jornal da universidade e inicia-se uma relação complicada. Christian tem um passado sombrio – foi abusado na infância antes de ser adoptado – é adepto de práticas BDSM (bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo) e deseja que Anastasia seja sua submissa, enquanto ela sonha com o príncipe encantado. Nos volumes seguintes, tudo muda.

Quando E. L. James esteve em Novembro em Lisboa, muitas das leitoras portuguesas que estavam na FNAC confessaram ao PÚBLICO que o livro de que mais gostam é o segundo volume (porque mostra que “alguém pode mudar por amor”), e algumas até não tinham gostado do primeiro (o mais hard). Afinal, o que capta as leitoras talvez não seja o bondage e as inúmeras cenas de sexo, mas simplesmente a história de amor.  

Em todo o mundo, a edição em formato digital e em papel desta trilogia já vendeu mais de 60 milhões de exemplares. A autora, antiga produtora de televisão, foi eleita a Personalidade do Ano pela revista Publishers Weekly e ocupa o quarto lugar na lista dos autores mais poderosos divulgada esta semana pelo The Hollywood Reporter. A longa-metragem que adapta o primeiro volume da história de amor de Anastasia Steale e Christian Grey está a ser produzida pela Universal.