Portugal a caminho de ter médicos a mais, alerta bastonário

Bastonário da Ordem dos Médicos recomenda restrições no acesso ao ensino superior para evitar que clínicos a mais reduzam qualidade do serviço prestado.

José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos
Foto
José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos Enric Vives-Rubio

O bastonário da Ordem dos Médicos entende que, “neste momento, Portugal ainda não tem médicos mais, mas está a caminho de os ter” e por isso defende restrições no acesso aos cursos superiores. José Manuel Silva diz que “excesso de profissionais reduz a qualidade global do exercício da Medicina no país e mercantiliza a saúde”.

O bastonário falava à entrada para o Juramento de Hipócrates, que na noite de domingo levou cerca de 500 recém-licenciados em Medicina até à Casa da Música, no Porto, por iniciativa da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos.

José Manuel Silva admite que a sua posição pode ser vista como “excessivamente corporativa”, mas alega que, “para proteger os doentes, não devemos ter médicos a menos, que criam dificuldades de acesso aos cuidados de saúde, mas não devemos ter médicos a mais porque isso leva a uma mercantilização da saúde e dos doentes”. “Deve haver um equilíbrio”, resume.

O bastonário afirmou que os “os recém-licenciados” que fizeram o seu juramento devem manter a “esperança no futuro”, mas referiu que “eles já têm a consciência de que o futuro vai ser muito difícil”. “Vão ter de enfrentar mais obstáculos do que aqueles que eu tive de enfrentar na minha carreira de médico, que possivelmente não haverá lugar para todos no nosso país e alguns terão que emigrar, o que é um contra senso”, continuou.

Para José Manuel Silva, “estamos a formar técnicos cuja qualidade é reconhecida na Europa e por isso vêm cá contratar médicos portugueses que vão para o estrangeiro a custo zero beneficiar outros doentes e outras economias e não aqueles doentes e aquela economia que permitiram a sua formação”. Por isso, o bastonário é de opinião que “deve uma adequação do numerus clausus nas faculdades de medicina”, reduzindo-o .

Questionado sobre se Portugal tem médicos a mais, José Manuel Silva respondeu: “Neste momento, Portugal ainda não tem médicos a mais no exercício da profissão, mas está a caminho de os ter, de tal forma que, para a próximo ano, 200 a 300 jovens não irão ter nenhuma vaga de especialidade para poderem tirar a especialidade”.

O bastonário comentou ainda nos cortes na Saúde, considerando que a dose aplicada peca por ser “excessiva”, referindo que há notícias de estabelecimentos que foram obrigadas a “suspender cirurgias programadas” por terem crescentes “dificuldades de funcionamento”. “Não se pode impor um corte, tem é que se obter poupança pela boa gestão, porque um corte só por si não induz boa gestão. O que induz é racionamento dos cuidados, porque má gestão continua a acontecer”, sustentou.

José Manuel Silva comentou ainda o orçamento para 2013, opinando que ele “vai ser ainda mais insuficiente do que o deste ano” e advertindo também que os cortes excessivos “podem pôr em causa o Serviço Nacional de Saúde”.