Reformados saíram às ruas em Espanha contra austeridade

Houve manifestações em dezenas de cidades contra a actualização das pensões em 1% ou 2%, abaixo da taxa de inflação.

Foto
Manifestantes ergueram cartazes com críticas ao Governo Susana Vera/Reuters

Sob o lema “Vamos para a rua contra o corte nas pensões”, reformados concentraram-se no centro de Madrid a exigir “Justiça” e “Pensões Dignas”. As críticas das manifestações em todo o país, convocadas pelas centrais sindicais UGT e CCOO (Confederación Sindical de Comisiones Obreras), centraram-se na perda de poder de compra dos pensionistas, mas foram transversais às políticas económicas do executivo.

A decisão de não compensar os pensionistas em 2013 pela inflação – contestada nas ruas de, pelo menos, 55 cidades – foi, segundo o Governo, motivada pela situação de tesouraria da Segurança Social, num contexto de pressão europeia para o país cortar na despesa pública.

De acordo com a regra espanhola, as pensões são actualizadas, anualmente, em função do Índice de Preços no Consumidor (IPC) e da inflação subjacente.

Para os pensionistas que recebem menos de mil euros, o valor da pensão vai aumentar 2% no próximo ano, enquanto para os restantes haverá uma subida de 1%. Como a actualização não corresponde à subida dos preços (inflação de 2,9% em Novembro), os pensionistas vão perder poder de compra.

Nas contas do Governo, se as pensões fossem aumentadas de acordo com o estabelecido no chamado Pacto de Toledo (um acordo parlamentar de 1995 relativo à Segurança Social e pensões), isso implicaria um custo adicional de 3800 milhões de euros para a Segurança Social.

“É preciso lutar contra estas pessoas [Governo], vão arruinar-nos e vão enriquecer ainda mais”, afirmou Raul Herrero, de 64 anos, que elogiou a “mobilização” de cidadãos nas ruas de Madrid e defendeu uma “mudança radical” de políticas.

Em alguns cartazes, viam-se críticas directas ao Presidente do Governo, Mariano Rajoy, que quebrou uma promessa eleitoral em relação à actualização das pensões, defendendo o recuo com a necessidade de poupar 150 milhões de euros em dois anos para Espanha cumprir a consolidação orçamental acordada com os parceiros europeus.