Portugueses reduziram a poupança em Novembro

Indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica indicia que a taxa de poupança dos portugueses terá rondado 9% do PIB no último mês.

Foto
A curva da poupança sugerida pelo indicador APFIPP/Universidade Católica tem oscilado em 2012 Rita Chantre

O impacto das medidas de austeridade e do ajustamento orçamental está a limitar a capacidade de poupança dos portugueses. O indicador elaborado pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP) e a Universidade Católica, que mede a taxa de poupança das famílias em percentagem do PIB, caiu em Novembro, mês que antecede a época natalícia.

A margem de manobra dos portugueses para poupar foi menor no último mês, ao contrário do que aconteceu em Outubro, mas em linha com a trajectória de Agosto e Setembro, meses em que o índice também desceu.

De acordo com os dados divulgados nesta quarta-feira pela APFIPP e a Universidade Católica, o indicador baixou de 115,1 pontos em Outubro para 114,6 em Novembro, o que indicia que a taxa de poupança no último mês terá estado na ordem dos 9% do Produto Interno Bruto português (cada 12,5 pontos representam cerca de 1% do PIB).

O menor rendimento disponível das famílias e a consequente menor capacidade de poupança poderá explicar esta descida na recta final do ano, numa altura em que os portugueses estão já a contar com mais um ano de aperto de cinto, com a subida dos impostos.

O grau de poupança dos agregados familiares em Novembro, medido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostra a mesma tendência. A perspectiva de realização de poupança a 12 meses está, aliás, em queda. A tendência de Novembro continua a ser essa – a de que, dentro de um ano, haverá menor margem de manobra para poupar.

A curva da poupança sugerida pelo indicador APFIPP/Universidade Católica tem, ainda assim, oscilado ao longo de 2012, com períodos em que os particulares terão conseguido maiores economias e outros em que terão consumido as poupanças. O índice aumentou nos três primeiros meses de 2012, recuou em Março, voltou a subir até Julho e está em queda desde aí, apenas com uma interrupção em Outubro.

Ainda assim, nota a APFIPP e a Universidade Católica, “o indicador sugere que a poupança em percentagem do PIB se encontra significativamente acima da sua média de longo prazo”, já que a média calculada desde que é coligido este indicador (Dezembro de 2000) é de 98,6 pontos.