“Estrangeiros”: a reflexão de cinco jovens artistas moçambicanos

Ocupações Temporárias 20.12 apresentam cinco artistas moçambicanos emergentes. Depois de Maputo, segue-se Angola, Cabo Verde e Portugal

A experiência internacional de artistas moçambicanos emergentes é o conceito explorado na iniciativa Ocupações Temporárias 20.12, que arrancou esta semana, em Maputo, e que conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

Na sua terceira edição, as Ocupações Temporárias apresentam à capital moçambicana cinco artistas moçambicanos relativamente anónimos na cena artística de Moçambique, e, pela primeira vez, um artista internacional, o angolano Paulo Kapela. O Aeroporto Internacional de Maputo, algumas ruas da capital moçambicana e ainda as embaixadas de Portugal, da Noruega e da África do Sul são os espaços onde poderão ser visitadas as instalações artísticas, numa escolha que pretende “provocar” no público uma “experiência internacional”.

“Há uma vaga de quadros formados, a famosa diáspora, que está a regressar a Moçambique. São pessoas que fizeram formação e têm competências, e que retomam o país e a sua construção. Fazia sentido mostrar que também nas artes há uma diáspora”, disse à agência Lusa Elisa Santos, mentora do projecto.

"Estrangeiros"

Eugénia Mussa, João Petit Graça, Rui Tenreiro, Sandra Muendane e Tiago Correia-Paulo são os cinco artistas moçambicanos convidados. O tema “Estrangeiros” foi o ponto de partida para a construção dos seus projectos de ocupações artísticas. “A própria natureza do projecto e o seu lado inédito e, de alguma forma original, suscitou o interesse. Não é apenas uma exposição: é uma exposição num determinado contexto e com determinados objectivos”, avançou António Pinto Ribeiro, curador da Calouste Gulbenkian, explicando o apoio da fundação.

Na apresentação pública da iniciativa, os jovens fotógrafos moçambicanos Filipe Branquinho e Camila de Sousa falaram sobre a sua experiência de participação nas Ocupações Temporárias de 2011, que lhes garantiu uma exposição nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Com o seu trabalho, Filipe Branquinho foi ainda seleccionado para a final do concurso BESPhoto 2013, que, na última edição, teve como vencedor o fotógrafo moçambicano Mauro Pinto.

“Foi, de alguma forma, um encontro entre dois tipos de interesses: do nosso ponto de vista, apresentar obras notáveis e muito boas, do ponto de vista dos fotógrafos, terem a oportunidade de se apresentarem em Lisboa e, posteriormente, em Cabo Verde”, disse António Pinto Ribeiro. “(as ocupações) Têm trazido uma capacidade de ligar os artistas e de os pôr a trabalhar em conjunto, de falarem de linguagens e técnicas que, se calhar, não falariam. Também têm trazido um reconhecimento internacional: temos feito um esforço muito grande para divulgar o que estamos a fazer”, sublinhou Elisa Santos.

As Ocupações Temporárias 20.12 estão em Maputo até ao dia 27 de Dezembro. Seguem depois para Angola, Cabo Verde e, finalmente, Portugal.