Nova ultrapassa a Católica no ranking do Financial Times

Tabela do diário britânico que distingue as melhores instituições de ensino contempla três escolas portuguesas, incluindo a estreante Porto Business School.

Universidade Nova está entre as 30 melhores da Europa
Foto
Universidade Nova está entre as 30 melhores da Europa Pedro Cunha

A escola de gestão e economia da Universidade Nova de Lisboa subiu dez posições no ranking do Financial Times (FT) que distingue as melhores instituições nesta área de ensino e ultrapassou, pela primeira vez, a Católica.

A edição de 2012 da tabela também é marcada pela estreia da Escola de Gestão do Porto que entrou directamente para o 55.º lugar entre 79 universidades analisadas. A Nova School of Business and Economics (Nova SBE) passou do 39.º para o 29.º lugar, enquanto a Católica Lisbon School of Business and Economics alcançou o 32.º lugar, subindo uma posição face ao ranking de 2011.

Este é o “ranking dos rankings” onde as escolas portuguesas têm vindo a ganhar terreno e visibilidade. A classificação é obtida através da média dos resultados conseguidos em quatro outras avaliações a programas de formação, que o FT vai divulgando ao longo do ano (MBA a tempo inteiro e part-time, formação para executivos e mestrados em gestão).

Ser considerada a 29ª melhor escola para estudar gestão e economia é um “resultado extraordinário”, diz José Ferreira Machado, director da Nova SBE. “Primeiro porque subimos dez posições e somos a terceira escola que mais subiu nos rankings, depois porque entrámos no top 30”, afirma. Este ano a faculdade pública conseguiu subir em todas as classificações, o que contribuiu para este resultado.

“Numa altura em que o mercado está a contrair e é cada vez mais difícil reter talento, estes são factores que reforçam a capacidade de atrair estudantes e contrariar a fuga de cérebros”, analisa Ferreira Machado. A Nova SBE tem actualmente 400 alunos estrangeiros, 30% do total.

A Católica Lisbon School of Business and Economics, que foi a primeira escola portuguesa a constar nas tabelas do FT, continua a subir posições desde 2010 e, o ano passado chegou pela primeira vez ao top 40. Francisco Veloso, director da instituição, sublinha que o mais importante na tabela hoje divulgada é “ter a Católica em destaque a nível europeu”. Cerca de 50% dos alunos de mestrado são estrangeiros.

No próximo ano, o MBA conjunto desta faculdade com a Nova (The Lisbon MBA) já vai poder ser avaliado pelo FT e, por isso, será incluído na média deste ranking global que avalia a qualidade das escolas no seu todo. “A expectativa que temos é que o MBA fique numa posição honrosa e isso vai ajudar no resultado final”, sublinhou ao PÚBLICO, ao telefone desde o Brasil. Francisco Veloso está em reuniões com várias escolas brasileiras para negociar possíveis acordos de parceria. A intenção é, nomeadamente, ter programas de formação e centros de investigação conjuntos e troca de professores. “Temos acordos e presença de alunos estrangeiros na Católica com uma predominância europeia e queremos ir mais além”, explicou.

Para Nuno Sousa Pereira, director da Porto Business School (escola de negócio da Universidade do Porto), a estreia no mais aguardado dos rankings do FT é o resultado de uma “estratégia de internacionalização sustentada” e o reconhecimento da qualidade dos programas de formação, disse, em comunicado.

A espanhola IE Business School é considerada pelo Financial Times a melhor escola de gestão. Destronou a HEC (École des Hautes Études Commerciales) de Paris que assegurava o primeiro lugar desde, pelo menos, 2010 e está agora na segunda posição. Segue-se a London Business School e o Insead.

O FT elabora anualmente seis rankings. As tabelas são elaboradas com base em critérios que vão desde o salário que os alunos conseguiram auferir três anos após o curso, até à percentagem de mulheres no corpo docente. Para elaborar as listas o diário britânico recorre a questionários online, feitos às escolas e aos antigos alunos.

  
 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações