Inspectora da PJ detida por suspeita de ter matado avó do marido com 14 tiros

Homicídio ocorreu na semana passada, em Coimbra, no apartamento onde a idosa vivia sozinha. Não se conhecem ainda os motivos do crime.

Foto
A detenção ocorreu na madrugada desta terça-feira Fernando Veludo/NFactos

Uma inspectora da Polícia Judiciária do Porto (PJ), de 36 anos de idade, foi detida na madrugada desta terça-feira por suspeita de ter matado com 14 tiros a avó do marido, uma idosa de 80 anos.

O homicídio ocorreu na semana passada, em Coimbra, no apartamento onde a idosa vivia sozinha. A viúva tinha balas pelo corpo todo.

A Directoria do Centro da PJ, em coordenação com a Directoria do Norte, investigou o crime, estando a tentar apurar o motivo do homicídio. Para já, sabe-se que a inspectora estava de baixa, devido a uma pequena cirurgia, quando ocorreu o assassinato .

A suspeita é casada com um inspector da PJ do Porto, mas até agora nada indica que o marido tenha tido qualquer envolvimento no homicídio. Ambos trabalham na Divisão do Crime Económico da PJ.

Para cometer o crime, a inspectora terá utilizado uma Glock, uma pistola semiautomática utilizada por várias polícias. Esta arma, de 9x19 milímetros, é o calibre-padrão das forças policiais e militares. Contudo, também pode ser utilizada legalmente por civis com determinadas profissões e praticantes de tiro desportivo.

A detenção está a chocar os profissionais da PJ, tendo muitos colegas que trabalharam directamente com a inspectora mostrado grande surpresa com o sucedido. Vários referem que era uma boa profissional, mãe de uma criança pequena. “Um casal perfeitamente normal”, resume um inspector.

A inspectora só amanhã será presente no Tribunal de Instrução Criminal de Coimbra, para aplicação das correspondentes medidas de coacção.