Deco diz que gasóleo premium ou low cost é todo igual

Associação de Defesa do Consumidor testou quatro marcas de gasóleo em quatro automóveis. Os consumos foram “muito idênticos”.

A Deco diz que há uma “acção enganosa” e “prática comercial desleal”
Foto
A Deco diz que há uma “acção enganosa” e “prática comercial desleal” Fernando Veludo/NFactos

O gasóleo vendido em Portugal é todo igual. Não há diferença entre as gamas premium e as mais baratas. A conclusão é da Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, que anunciou que vai denunciar o caso às autoridades e enviar um abaixo-assinado ao Ministério da Economia.

A Deco testou quatro tipos de gasóleo considerados líderes de mercados – Galp Gforce, Galp Hi-Energy, Jumbo e Intermarché – e concluiu que, seja combustível  “low cost, regular ou premium”, após 12 mil quilómetros percorridos por quatro viaturas distintas, cada uma com uma gama diferente, “é tudo igual ao litro”.

A associação avança no seu site que nos quatro automóveis testados foram verificados “consumos muito idênticos” e que no interior do motor não foram registadas “diferenças relevantes nos depósitos”. “Em matéria de consumo, medimos uma diferença sem significado: 0,13 litros aos 100km entre o pior e o melhor caso, ou seja, uma diferença de 2%. Por exemplo, a pressão incorrecta nos pneus aumenta o consumo em 5%, o que equivale a mais 0,33l/100km”, adianta.

Perante a diferença de preço entre o gasóleo Gforce e Hi-Energy, a Deco considera que há uma “acção enganosa” e “prática comercial desleal”. “As promessas de menor consumo, menores emissões poluentes e maior protecção do motor com poupanças futuras não passam de marketing para cobrar mais uma dezena de cêntimos ao litro”, acusa.

A associação diz já ter denunciado o caso às autoridades e que começou a recolher assinaturas para um abaixo-assinado que será entregue depois ao ministro da Economia.

O secretário-geral da associação de defesa do consumidor Deco, Jorge Morgado, afirmou em conferência de imprensa, esta sexta-feira, que “não há razão para o consumidor não comprar o gasóleo mais barato”.

A Deco sublinha que é “urgente” criar um regulador para o sector “que defenda os consumidores e fixe coimas realmente eficazes”.