Crónica de jogo

Os 11 de Vercauteren em Basileia não atacaram e não defenderam

Sporting perde na Suíça por 3-0, fica afastado dos 16-avos-de-final da Liga Europa e já não vai sair do último lugar do grupo

Capel foi dos poucos que tentou alguma coisa no ataque do Sporting
Foto
Capel foi dos poucos que tentou alguma coisa no ataque do Sporting Fabrice Coffrini/AFP

A promessa de Franky Vercauteren antes do jogo do Sporting em Basileia era a de ter 11 jogadores a defender e 11 jogadores a atacar, incluindo nesta imagem até o guarda-redes. Visão demasiado optimista do treinador belga, como se provou ontem no St. Jakob-Park. Os 11 “leões” em campo atacaram pouco, defenderam mal e saíram de um campo onde nunca antes tinham sequer sofrido um golo com uma derrota por 3-0, que significa o adeus matemático aos 16 avos-de-final da Liga Europa, mesmo que ainda tenham mais uma jornada para cumprir neste Grupo G.

Pela primeira vez, o Sporting não vai passar da fase de grupos de uma competição em que foi semifinalista na temporada anterior, graças a uma campanha pouco menos que miserável (aconteça o que acontecer em Alvalade, frente ao Videoton, já não irá fugir ao último lugar do agrupamento), sem qualquer vitória e com três derrotas em cinco jogos e apenas dois pontos. Ontem, a vitória era o único resultado que interessava, tal como também interessava que o Genk ganhasse ao Videoton, na Hungria. Os belgas cumpriram a sua obrigação, o Sporting não.

No seu quarto jogo como treinador principal do Sporting, Vercauteren vai experimentando, tentando acertar um “onze” que nunca foi estabilizado pelos seus antecessores e em que só dois têm tido lugar cativo, Rui Patrício e Ricky van Wolfswinkel. De resto, todos os sectores sofrem alterações e o meio-campo é aquele menos estável. Ontem, Gelson Fernandes e Elias foram os mais defensivos e Pranjic tinha a função de jogar mais perto dos avançados.

O belga contava com a experiência e boa técnica do croata para conduzir o jogo ofensivo do Sporting, mas poucas vezes apareceu em terrenos adiantados e nunca abriu linhas de passe nas investidas de Capel e Labyad pelos flancos. Com isto, a primeira promessa de Vercauteren falhava: o Sporting não atacava. Depois, vieram os erros defensivos. E ao Basileia, orientado há pouco mais de um mês pelo antigo internacional suíço Murat Yakin, bastou esperar.

Rui Patrício foi adiando o que parecia inevitável, com duas excelentes defesas aos 8’ e aos 17’. Mas os suíços chegaram com naturalidade à vantagem, aos 23’. Um erro de Xandão que Schar aproveita da melhor maneira.

Só a perder é que o Sporting se aproximou da baliza do Basileia, numa jogada de contra-ataque em que Van Wolfswinkel não conseguiu bater o guardião Sommer. E na segunda parte, o Sporting voltou a estar perto do golo, com um potente remate de Elias, aos 50’, após jogada de Labyad.

A expulsão de Cabral, que levou o segundo amarelo após falta sobre Capel, aos 58’, parecia dar alguma esperança aos “leões” e a entrada de Carrillo tinha tudo para agitar o ataque sportinguista, mas o descalabro veio pouco depois. Aos 66’, Stocker aproveitou uma enorme confusão na defesa sportinguista para bater Rui Patrício pela segunda vez e, aos 70’, Degen faz o 3-0 numa jogada de contra-ataque em que não teve qualquer oposição.

Primeira derrota do Sporting com o Basileia e menos uma competição por que lutar. Elias disse tudo no final do jogo: “Fizemos a pior partida do ano.”     

Sugerir correcção