1943-2012

Morreu Zeca do Rock, pioneiro do rock'n'roll português

O primeiro "yeah" do rock português pertence a José das Dores
Foto
O primeiro "yeah" do rock português pertence a José das Dores DR

Foi um dos pioneiros do rock português e, no início da década de 1960, um verdadeiro caso de popularidade. Não por acaso, ficou conhecido como "o Elvis Presley português". É dele o primeiro e sonoro “yeah!” registado em disco no nosso país, em Sansão foi enganado (1961), grito que era resumo da atitude rebelde do som chegado dos Estados Unidos através de Bill Haley, Little Richard ou Elvis Presley. José das Dores, imortalizado como Zeca do Rock, morreu ontem no Brasil, na zona de Campinas, onde vivia há mais de três décadas, na sequência de uma pneumonia viral. Faria 69 anos em Dezembro.

Conotado com a emergência do rock’n’roll em Portugal, incluído nessa primeira vaga que incluía Joaquim Costa, a quem pertence o primeiro registo gravado de rock em Portugal (Rip it up e Tutti Frutti, 1959), Daniel Bacelar e os Os Conchas (partilharam o EP Os Caloiros da Canção, estreia discográfica do rock’n’roll português, em 1960), José das Dores já era músico de ouvidos atentos à música latino-americana, ao blues e à country quando algo de novo surgiu no horizonte.

Little Richard, Chuck Berry, Roy Orbison, Buddy Holly e, principalmente, Elvis Presley foram uma força irresistível, como contava em entrevista ao PÚBLICO em 2010: “O aparecimento do rock constituiu mais um passo dentro de uma sequência evolutiva natural”, mas “foi uma tomada de poder da geração dos baby boomers, uma tomada de poder pela força da música e não das armas”. Representou uma mudança de mentalidades, um desejo de libertação do puritanismo imposto pelo Estado Novo: “A sensualidade é a mola real da vida adolescente. Agora e sempre. Por que acha que nos lançámos nesta carreira? Para agradar ao Senhor Prior ou para levar umas centenas de garotas ao 'castigo'?”

No período pré-Beatles, Zeca do Rock foi uma estrela à escala de um país de cultura pop imberbe e controlada pelo puritanismo do Estado Novo. Fazia a ronda dos clubes recreativos, teatros e liceus lisboetas, tocava em palcos instalados em praças de touros, surgia nas escolas, “num Triumph Herald descapotável”, nos horários de intervalo das aulas e distribuía autógrafos entre os fãs. Factor relevante: Zeca do Rock tocava as canções das estrelas americanas, mas não pretendia imitar ninguém. “Tentava fazer uma ponte entre diversos géneros musicais, mas sempre com uma característica pessoal, inovadora”, contava em 2010. De voz forte e com gosto pelo rock mais “swingado”, compôs canções como a supracitada Sansão foi enganado ou Nazaré Rock e foi filmado em 1964 para Pão, Amor... E Totobola, de Henrique Campos. A parca produção de material gravado justifica-se pelos constrangimentos e, afirma, vistas curtas da indústria musical de então. “As gravadoras impunham-me o que queriam que gravasse. Daí a minha escassa discografia. [A maioria do que compunha] Somente existia em gravações particulares em fita feitas nos estúdios das rádios privadas.”

A sua carreira, como acontecia à maioria dos músicos do período, foi interrompida pela chamada ao serviço militar e subsequente destacamento para a Guerra Colonial. No regresso a Portugal, Zeca do Rock voltou rapidamente a ser José das Dores, iniciando a carreira empresarial que o levou, anos depois, ao Brasil.

O seu breve percurso musical foi porém suficiente para o inscrever na história do rock português. “O nome de Zeca do Rock faz parte da história musical do nosso país. Muita gente se lembra dele”, acentuava.” É o caso dos conimbricenses Bunnyranch, uma das grandes bandas rock’n’roll portuguesas da última década, que assinaram em 2008, no álbum Teach Us Lord... How To Wait, uma versão de Sansão foi enganado. Termina com "yeah!" bem gritado.

Notícia corrigida às 11h28 de 14 de Novembro