Dançando com a Diferença: "Não nos venham ver por indulgência"

Foto
O espectáculo procura uma língua franca da comunicação humana Júlio Silva carvalho

Portadores de deficiência estreiam hoje Dez Mil Seres na Casa das Mudas, na Madeira, com coreografia de Clara Andermatt

"Não é qualquer pessoa com deficiência que pode subir a um palco." Henrique Amoedo fala, peremptório, sobre a Companhia Dançando com a Diferença (CDD) que dirige na Madeira desde 2001 numa das varandas da Casa das Mudas, na falésia da Calheta. Lá dentro, na obscuridade do auditório, a coreógrafa Clara Andermatt dava as indicações finais aos intérpretes de Dez Mil Seres, que estreia hoje às 21h (repete amanhã às 17h): Mickaella Dantas (ex-bailarina da companhia inclusiva inglesa CandoCo, amputada da perna direita), Aléxis Fernandes (com síndrome de Asperger), Bárbara Matos, Rui Costa, Sofia Marote e Joana Caetano (com síndrome de Down), e Telmo Ferreira (estigmatizado desde a infância, em Câmara de Lobos, por diagnóstico equívoco de desajustamento socioemocional).

Ao contrário do que é habitual nos trabalhos da CDD, esta peça não contará com bailarinos sem deficiência. E, apesar de a coreógrafa estar a bisar a colaboração com a CDD - depois do muito bem sucedido Levanta os Braços como Antenas para o Céu (2005) -, regressar não tornou o processo mais fácil: "O caminho tinha de ser diferente do anterior. Não quis voltar à pesquisa sobre as possibilidades destes corpos, mas tentar trazer à superfície o enigma que é o mundo interior destas pessoas".

Começaram por trilhar juntos zonas rurais da ilha e enseadas pedregosas; expuseram-se à chuva e ao calor, a odores, sons e texturas, em busca de novas percepções sobre as paisagens do seu quotidiano. "Quantas vezes assisti, pasmada, a verdadeiras "viagens" durante as improvisações que se seguiam", diz Andermatt. Difícil foi não dispor do tempo necessário para reter esses momentos e trazê-los para o palco. "Mas descobri ser esta procura idêntica à que ocorre com os bailarinos convencionais, mais habituados a alinhar os corpos treinados pelo lado exterior do movimento, do que a indagar os motivos profundos a desencadeá-lo."

A trajectória artística de Andermatt é marcada por um jeito teatral de compor a dança e pelas abordagens desinibidas de elencos e temáticas pouco exploradas - ou de risco. A sua história pessoal (uma sobrinha com autismo, hoje com 21 anos) terá contribuído para que ousasse com estes intérpretes. Eles encantaram-se com o surrealismo sombrio de H. R. Giger e com o erotismo inquietante da pintura de Balthus, inspiraram-se com os arlequins de Picasso, com as figuras de Rodin ou os "seres imaginários" de Jorge Luís Borges.

Em Dez Mil Seres, evocam-se estes universos e os intérpretes entregam-se, sem reservas, à construção de todo um imaginário. Num indecifrável poema fonético, nas interacções entre o corpo amputado, os corpos "completos" e as figuras pequeninas, agradavelmente musculadas e saudáveis, há uma intensidade atraente, de indizível estranheza. Uma empenhadíssima demanda por uma língua franca, uma essência da comunicação humana.

A paisagem sonora (Jonas Runa, compositor, intérprete e musicólogo, colaborador de Joana Vasconcelos e de Jorge Lima Barreto) traz um subtil conceito novo: a espacialização da música fá-la-á emergir, como se coreografada, de distintas zonas da sala; os estereogramas no telão de fundo conjugam-se para subtrair a peça dos estereótipos da bidimensionalidade e das zonas do conforto perceptivo.

"O público não quer ser defraudado, e não gosto que nos venham ver por indulgência", diz Amoedo. Esta luta levou-o a trocar o Brasil natal pela Madeira quando, em 2001, a Direcção Regional de Educação Especial o convidou para este projecto, cedendo-lhe um ginásio no Funchal e apoios públicos - gesto algo paradoxal, numa ultraperiferia insular.

Desde de que a "inclusão" se tornou politicamente correcta, os equívocos sobre o que é arte inclusiva atingiram particularmente as artes do corpo. Não basta colocar um deficiente em cena para tornar uma performance inclusiva. Banalizar o conceito é subverter os seus princípios, e, no limite, acentuar a exclusão. "Esta dança também não é (ou é-o só indirectamente) uma terapia; é pautada pelos critérios da exigência artística [convites a outros coreógrafos de renome, como Rui Horta (2008) ou Paulo Ribeiro (2011), são parte desse desígnio], a começar na implacabilidade que o grupo aplica sobre si próprio", acrescenta Amoedo.

Assistimos a extenuantes e intermináveis ensaios de movimento, luz e som; e, claro, às habituais descargas emocionais, sempre mitigadas por Amoedo e Andermatt e com a intermediação cúmplice dos familiares e de voluntários. "Até me esqueço que não estou a trabalhar com um grupo de dança convencional", confessa Andermatt.

Se o atraso dos apoios públicos levou para outros caminhos os habituais intérpretes não-deficientes da CDD, mais dificilmente se vislumbraria um futuro, fora da companhia, para os que ficaram - que nos desafiam, ao mostrar-nos os seus corpos tal como são, num processo mais alargado que acaba por transcendê-los. Este projecto mostra-nos a humanidade no seu melhor. As assimetrias persistem, porém, e o combate pela sua valoração artística é arriscado e repleto de armadilhas. Tocados ou não, inevitável será sairmos da Casa das Mudas inundados de questões; talvez um relance sobre o imenso Atlântico no sopé da Calheta ajude a colocá-las numa outra dimensão.