Adriano Miranda
Foto
Adriano Miranda

UniPlaces ganha prémio Nacional Indústrias Criativas

Plataforma de arrendamento universitário, já presente em três países, conseguiu o prémio de 25 mil euros. Edição deste ano teve mais de 400 candidaturas

A UniPlaces, plataforma de arrendamento universitário que conta já com cerca de 18 mil anúncios em três países — Portugal, Inglaterra e Chile — é a vencedora da 4ª edição do prémio Nacional de Indústrias Criativas Super Bock/ Serralves, que atribuiu ainda duas menções honrosas aos projectos Safety 3D, jogo educativo digital para crianças, e Limetree, uma aplicação web e "mobile" para arquivar memórias e recordações de crianças.

Além do prémio de 25 mil euros e de apoio directo no desenvolvimento do projecto, a UniPlaces vai poder representar Portugal no concurso mundial Creative Business Cup, que vai eleger na Dinamarca, entre os dias 12 e 14 de Novembro, o melhor empreendedor a nível mundial.

Tudo começou em Inglaterra, quando quatro amigos de quatro países diferentes se conheceram enquanto estudavam. Miguel Santo Amaro, o português do grupo, lembra-se de perceberem a dificuldade que existiam em encontrar o lugar ideal para ficar: "Nas universidades há placares com anúncios em papel, dispersos, que ao fim de duas semanas de aulas já estão completamente desactualizados", disse ao P3 minutos depois de receber em nome da UniPlaces o prémio das Indústrias Criativas

PÚBLICO -
Foto
A noite ficou ainda marcada por um momento musical que foi uma homenagem à cultura portuguesa Adriano Miranda

25 universidade, 18 mil anúncios

PÚBLICO -
Foto
A segunda menção honrosa da noite foi para os criadores do Safety 3D, jogo educativo para crianças Adriano Miranda

Em Novembro de 2011, Miguel Amaro, o argentino Mariano Kostelec, o inglês Ben Grech e o espanhol Leo Lara mudaram-se para o Porto. "Foi o sítio perfeito para arrancar o projecto", acredita Miguel. Um ano depois a UniPalces (que mudou sede para Lisboa) já tem parcerias com 25 universidades em Portugal e 18 mil anúncios disponíveis. 

PÚBLICO -
Foto
Criadores da Limetree, app web e mobile para arquivar memórias de crianças, receberam menção honrosa Adriano Miranda

É uma situação win-win: os senhorios conseguem mais destaque para as casas, os alunos têm mais probabilidade de encontrar o sítio perfeito. A UniPlaces já chegou ao Chile e a Inglaterra e a ideia é continuar a expandir, com a América do Sul no topo das preferências.   

A utilização da plataforma é para já completamente gratuita, mas à medida que novos serviços sejam integrados e os actuais melhorados, há planos para haver alguns serviços pagos. 

Na cabeça dos quatro amigos não faltam ideias: "Podemos nós próprios criar as nossas residências universitárias, queremos processar as próprias rendas pela plataforma, o que tornaria o mercado cinzento mais transparente." 

Há um longo caminho a percorrer, admite Miguel Amaro: "Bons anúncios, com boas fotografias, com certificação de qualidade, queremos tornar a UniPlaces uma marca de alojamento." Os jovens sonham com o dia em que cheguem a uma qualquer cidade do mundo e ouçam dizer que alguém vai ficar ou ficou "numa casa UniPlaces". 

O prémio das Indústrias Criativas, acredita Miguel Amaro, vem agora dar nova "credibilidade ao projecto", já distinguido anteriormente, com o prémio Startup Weekend Portugal 2011, o SoPitch 2012,e a selecção para a incubadora Startup Lisboa e para o projecto piloto da Deloitte Innovation. 

A edição deste ano do prémio Nacional de Indústrias criativas recebeu 443 candidaturas. Um sinal do crescente empreendedorismo dos portugueses, salienta a directora de comunicação da Unicer, Joana Queirós Ribeiro: "Ao longo dos anos tem-se notado que os projectos apresentados são menos ideias e mais projectos." 

"Todas as ideias são boas mas nem todas podem ser implementadas, nem todas podem ser transformadas em negócio", explica. O desenvolvimento das Indústrias Criativas, acredita a representante da Unicer, pode ainda "levar a desenvolver o turismo em Portugal, um dos sectores que pode ajudar o país a sair da crise".