Crise da dívida soberana

Libertação de novo empréstimo à Grécia em risco de ser adiado

A luz verde para a libertação de uma nova fatia do empréstimo internacional à Grécia poderá não ser dada na próxima reunião dos ministros das Finanças da zona euro, marcada para a próxima segunda-feira.

“O dia 12 de Novembro não será o último reduto”, afirmou esta segunda-feira um alto responsável europeu à agência Reuters.

A fonte, que pediu o anonimato, afirmou que é improvável que haja um acordo entre o Governo grego e os representantes da troika até esse dia, uma condição fundamental para que o dinheiro possa ser libertado.

Jean-Claude Juncker, presidente do Eurogrupo, afirmou na semana passada que esperava um acordo entre o Governo grego e os credores internacionais sobre as medidas para a reestruturação orçamental do país até à próxima reunião dos ministros das Finanças da zona euro.

Por essa razão, o Governo liderado pelo primeiro-ministro Antonis Samaras entrou num processo negocial acelerado para conseguir consenso parlamentar sobre as medidas de austeridade do Orçamento do Estado do próximo ano. Ao longo desta semana e até domingo, o parlamento grego deve discutir e aprovar novas leis laborais e uma reestruturação orçamental com um impacto de 13,5 mil milhões de euros.

Este processo causou já fracturas na coligação tripartida, liderada pelo Nova Democracia e que junta os socialistas do PASOK e o partido dos Democratas de Esquerda (Dimar). Mas, mesmo que a maioria parlamentar siga o apelo de Samaras e aprove as medidas de austeridade no domingo, parece não haver certezas de que o empréstimo seja desbloqueado no dia seguinte.

Apesar de o Governo grego afirmar que apenas consegue honrar os seus compromissos financeiros até meados de Novembro, caso não receba mais dinheiro dos credores, a fonte citada pela Reuters assegura que não há tanta urgência como parece e que espera que a Grécia consiga cumprir com as suas obrigações financeiras até final de Novembro ou inícios de Dezembro.

Sugerir correcção